domingo, 3 de janeiro de 2010

O Príncipe - parte 2a

Counter

O Príncipe / Parte 2a



Filosofia Política







Nicoló Machiavelli

___________________________________________________________


O Príncipe - Parte 2a


CAPÍTULO XII

DE QUANTAS ESPÉCIES SÃO AS MILÍCIAS, E DOS SOLDADOS MERCENÁRIOS

(QUOT SINT GENERA MILITIAE ET DE MERCENARIIS MILITIBUS)

Tendo falado detalhadamente de todas as espécies de principados, dos quais já no início me propus comentar, e consideradas, em alguns pontos, as causas do bem-estar e do mal-estar dos mesmos, mostrados que foram os modos pelos quais muitos procuraram adquiri-los e conservá-los, resta-me agora falar de forma genérica dos meios ofensivos e defensivos que em cada um dos citados principados possam ocorrer, Dissemos acima como é necessário a um príncipe ter bons fundamentos; do contrário, necessariamente, cairá em ruína. Os principais fundamentos que os Estados têm, tanto os novos como os velhos ou os mistos, são as boas leis e as boas armas. E, como não pode haver boas leis onde não existam boas armas e onde existam boas armas convém que haja boas leis, deixarei de falar das leis e me reportarei apenas às armas.

Digo, pois, que as armas com as quais um príncipe defende o seu Estado, ou são suas próprias ou são mercenárias, ou auxiliares ou mistas. As mercenárias e as auxiliares são inúteis e perigosas e, se alguém tem o seu Estado apoiado nas tropas mercenárias, jamais estará firme e seguro, porque elas são desunidas, ambiciosas, indisciplinadas, infiéis; galhardas entre os amigos, vis entre os inimigos; não têm temor a Deus e não têm fé nos homens, e tanto se adia a ruína, quanto se transfere o assalto; na paz se é espoliado por elas, na guerra, pelos inimigos. A razão disto é que elas não têm outro amor nem outra razão que as mantenha em campo, a não ser um pouco de soldo, o qual não é suficiente para fazer com que queiram morrer por ti. Querem muito ser teus soldados enquanto não estás em guerra, mas, quando esta surge, querem fugir ou ir embora.

Para persuadir de tais coisas não me é necessária muita fadiga, eis que a atual ruína da Itália não foi causada por outro fator senão o de ter, por espaço de muitos anos, repousado sobre as armas mercenárias. Elas já fizeram algo em favor de alguns e pareciam galhardas nas lutas entre si; mas, quando surgiu o estrangeiro, mostraram-lhe o que eram. Por isso foi possível a Carlos, rei de França, tomar a Itália com o giz; e quem disse que a causa disso foram os nossos pecados, dizia a verdade, se bem que esses pecados não fossem aqueles que ele julgava, mas sim esses que eu narrei, e como eram pecados de príncipes, estes sofreram o castigo.


Quero demonstrar melhor a infeliz qualidade destas tropas. Os capitães mercenários ou são homens excelentes, ou não: se o forem, não podes confiar, porque sempre aspirarão à própria grandeza, abatendo a ti que és o seu patrão, ou oprimindo os outros contra a tua vontade; mas se não forem grandes chefes, certamente te levarão à ruína. E, se for respondido que qualquer um que detenha as forças nas mãos fará isso, mercenário ou não, responderei dizendo como as armas devem ser usadas por um príncipe ou por uma República. O príncipe deve ir pessoalmente com as tropas e exercer as atribuições do capitão: a República deve mandar seus cidadãos e, quando enviar um que não se revele valente, deve substitui-lo, quando animoso deve detê-lo com as leis para que não avance além do limite. Por experiência se vêem príncipes sós e repúblicas armadas fazerem grandes progressos, enquanto se vêem tropas mercenárias não causarem mais do que danos. Ainda, uma República armada de tropas próprias se submete ao domínio de um seu cidadão com muito maior dificuldade do que aquela que esteja protegida por tropas mercenárias ou auxiliares.

Roma e Esparta foram durante muitos séculos armadas e livres, Os suíços são armadíssimos e libérrimos, Das armas mercenárias antigas, podemos citar como exemplo os cartagineses, os quais quase foram oprimidos por seus soldados mercenários, ao fim da primeira guerra com os romanos, a despeito de terem por chefes os próprios cidadãos de Cartago. Felipe da Macedônia foi pelos tebanos feito capitão de sua gente, depois da morte de Epaminondas, e após a vitória lhes tolheu a liberdade, Os milaneses, morto o Duque Felipe, assalariaram Francisco Sforza para combater os venezianos e o mesmo, vencidos os inimigos em Caravaggio, a estes se uniu para oprimir os milaneses, seus patrões. Sforza, seu pai, estando a serviço da Rainha Joana de Nápoles, deixou-a repentinamente desarmada; por isso ela, para não perder o reino, foi obrigada a lançar-se aos braços do Rei de Aragão.

E se venezianos e florentinos, ao contrário, tiveram aumentado o seu domínio com essas tropas, e os seus capitães se fizeram príncipes mas os defenderam, esclareço que os florentinos, neste caso, foram favorecidos pela sorte, porque dos capitães de valor, aos quais podiam temer, alguns não venceram ou tiveram de lutar contra antagonistas, outros voltaram sua ambição para paragens diversas. Quem não venceu foi Giovanni Aucut, por isso mesmo não se podendo conhecer de sua fidelidade, mas todos estarão concordes que, tivesse vencido, os florentinos estariam à sua mercê. Sforza sempre teve os Braccio contra si, vigiando-se uns aos outros. Francisco voltou sua ambição para a Lombardia, Braccio contra a Igreja e o reino de Nápoles. Mas, vejamos o que ocorreu há pouco tempo. Os florentinos fizeram Paulo Vitelli seu capitão, homem de muita prudência e que, de vida privada, havia alcançado mui grande reputação. Se ele conquistasse Pisa, não haveria quem negasse convir aos florentinos estar sob suas ordens, mesmo porque, se ele tivesse ficado como soldado de seus inimigos, não teriam remédio e, tendo-o ao seu lado, deveriam obedecer-lhe.

Os venezianos, se se considerar os seus progressos, ver-se-á terem operado segura e gloriosamente enquanto fizeram a guerra sozinhos (o que foi antes de voltarem suas vistas para a terra) sendo que, com o apoio dos gentis-homens e com a plebe armada, operaram mui galhardamente; mas, como eles começaram a combater em terra, abandonaram essa prudência e seguiram os costumes de guerra da Itália. No princípio de sua expansão terrestre, por não possuírem muito Estado e por usufruírem alta reputação, não precisavam temer muito seus capitães; mas, quando ampliaram suas conquistas, o que ocorreu sob o Carmignola, tiveram a prova desse erro. Por tanto, tendo visto seu valor quando sob seu comando bateram o duque de Milão e sentindo, de outra parte, quanto ele esfriara no conduzir a guerra, julgaram não mais ser possível com ele vencer dada a sua má vontade; e não podendo licenciá-lo para não perder aquilo que tinham adquirido, para se garantirem viram-se na contingência de matá-lo, Tiveram depois por seus capitães Bartolomeu e Bergamo, Roberto de São Severino, Conde de Pitigliano e outros parecidos, com os quais deviam temer as derrotas e não suas conquistas, como ocorreu depois em Vailá, onde, num dia, perderam tudo aquilo que, em oitocentos anos, com tanta fadiga, tinham conquistado. Na verdade, destas tropas resultam apenas lentas, tardias e fracas conquistas, mas rápidas e miraculosas perdas. E, como apresentei estes exemplos da Itália que tem sido por muitos anos dominada por armas mercenárias, quero analisar essas tropas por forma mais genérica, a fim de que, vendo a origem e o desenvolvimento das mesmas, se possa melhor corrigir o erro de seu emprego.

Deveis, pois, saber como, logo que nestes últimos anos o império começou a ser repelido da Itália e o Papa passou a ter reputação no poder temporal, a Itália dividiu-se em vários Estados. Na verdade, muitas das maiores cidades tomaram das armas contra seus nobres, os quais, antes favorecidos pelo imperador, as mantinham oprimidas, e a Igreja, para obter reputação em seu poder temporal, as favorecia em tal; de muitas outras, os seus cidadãos se tornaram príncipes.

Daí resultar que, tendo a Itália quase toda, chegado a cair nas mãos da Igreja e de algumas repúblicas, não estando aqueles padres e aqueles outros cidadãos habituados ao uso das armas, começaram a aliciar mercenários estrangeiros. O primeiro que deu fama a essa milícia foi Alberico da Conio, natural da Romanha, sendo que de sua escola de armas vieram, dentre outros, Braccio e Sforza, nos seus dias os árbitros da Itália. Depois destes vieram todos os outros que até nossos tempos têm chefiado essas tropas, e o fim do valor das mesmas foi que a Itália viu-se percorrida por Carlos, saqueada por Luís, violentada por Fernando e desonrada pelos suíços.

A ordem que eles observaram inicialmente foi, para dar reputação a si próprios, tirar o conceito da infantaria, Fizeram isso porque, sendo eles sem Estado e vivendo da indústria das armas, poucos infantes não lhes dariam fama e, sendo muitos, não poderiam alimentá-los; assim, limitaram-se à cavalaria onde, com número suportável, as tropas podiam ser nutridas e eles honrados. E, afinal, a situação tornou-se tal que, em um exército de vinte mil soldados, não se encontravam dois mil infantes. Tinham, além disso, usado todos os meios para afastar de si e de seus soldados o cansaço e o medo, não se matando nos combates, fazendo-se prisioneiros uns aos outros e libertando-se depois sem resgate. Não atacavam as cidades muradas e os das cidades não assaltavam os acampamentos; não faziam nem estacadas nem fossos, não saíam a campo no inverno. Todas estas coisas eram permitidas nas suas regras militares, por eles encontradas para fugir, como foi dito, à fadiga e aos perigos; foi por isso que arrastaram a Itália à escravidão e à desonra.


CAPÍTULO XIII

DOS SOLDADOS AUXILIARES, MISTOS E PRÓPRIOS

(DE MILITIBUS AUXILIARIIS, MIXTIS ET PROPRIIS)

As tropas auxiliares, que são as outras forças inúteis, são aquelas que se apresentam quando chamas um poderoso para que, com seus exércitos, te venha ajudar e defender, como fez em tempos recentes o Papa Júlio que, tendo visto na campanha de Ferrara a triste figura de suas tropas mercenárias, voltou-se para as auxiliares e entrou em acordo com Fernando, rei da Espanha, no sentido de que este, com sua gente e armas, viesse ajudá-lo. Estas tropas auxiliares podem ser úteis e boas para si mesmas, mas, para quem as chame, são quase sempre danosas, eis que perdendo ficas liquidado, vencendo ficas seu prisioneiro.

E, ainda que destes exemplos estejam cheias as antigas histórias, não quero abandonar esta recente lição de Júlio II, cuja deliberação de entregar-se inteiramente às mãos de um estrangeiro, por querer Ferrara, não podia ter sido mais insensata. Mas a boa sorte fez surgir uma terceira circunstância, a fim de que não viesse ele a colher o resultado de sua má decisão; sendo os seus auxiliares derrotados em Ravenna e surgindo os suíços que, contra a expectativa de Júlio e de outros, expulsaram os vencedores, o Papa não se tornou prisioneiro nem dos vencedores, que fugiram, nem de suas tropas auxiliares, por ter vencido com outras armas que não as delas. Os florentinos, estando completamente desarmados, levaram dez mil franceses a Pisa para atacá-la, resolução essa em razão da qual passaram por maior perigo do que em qualquer tempo de seus próprios trabalhos. O imperador de Constantinopla, para opor-se a seus vizinhos, concentrou na Grécia dez mil turcos que, terminada a guerra, não quiseram abandonar o país, o que constitui o início da sujeição da Grécia aos infiéis.

Assim, aquele que queira não poder vencer, valha-se destas tropas muito mais perigosas do que as mercenárias, eis que com estas a ruína é certa, dado que são todas unidas, todas voltadas à obediência a outrem. As mercenárias, para te prejudicarem após a vitória, contrariamente ao que ocorre com as mistas, precisam de mais tempo e maior oportunidade, não só por não constituírem um todo, como também por terem sido organizadas e pagas por ti; ainda, um terceiro que nelas tornes chefe, não pode desde logo assumir tanta autoridade que te cause dano. Enfim, enquanto nas tropas mercenárias o mais perigoso é a covardia, nas auxiliares é o valor.

Um príncipe prudente, portanto, sempre tem fugido a essas tropas para voltar-se às suas próprias forças, preferindo perder com as suas a vencer com aquelas, eis que, em verdade, não representaria vitória aquela que fosse conquistada com as armas alheias. Jamais vacilarei em citar como exemplo César Bórgia e suas ações. Este duque entrou na Romanha com tropas auxiliares, para aí conduzindo as forças francesas, com elas tomando Imola e Forli. Mas, depois, não mais lhe parecendo seguras tais armas, voltou-se para as mercenárias, julgando nelas encontrar menor perigo; e tomou a seu serviço os Orsini e os Viteili. Posteriormente, manejando essas forças e achando-as dúbias, infiéis e perigosas, extinguiu-as e voltou-se para as suas próprias tropas. Pode-se ver facilmente a diferença que existe entre umas e outras dessas armas, considerando a modificação da reputação do duque entre quando tinha apenas os franceses e depois os Orsíni e Vitelli, e quando ele ficou com soldados seus e sob seu próprio comando: sempre se a encontrará acrescida, e nem foi suficientemente amado senão quando todos viram que ele era o senhor absoluto de suas tropas.

Eu não queria abandonar os exemplos italianos e mais recentes; contudo, não desejo esquecer Hierão de Siracusa, um dos acima indicados por mim. Este, como já disse, tornado pelos siracusanos chefe dos exércitos, logo reconheceu não ser útil a tropa mercenária, por serem seus chefes idênticos aos nossos italianos; parecendo-lhe não poder conservá-los nem dispensá-los, fez cortar todos eles em pedaços, passando depois a fazer guerra com tropas suas e não com as de outrem, Quero, ainda, trazer à lembrança uma alegoria do Velho Testamento feita a este propósito. Oferecendo-se David a Saul para lutar com Golias, provocador filisteu, Saul, para encorajá-lo, revestiu-o com suas próprias armaduras, as quais, uma vez envergadas por David, foram por ele recusadas: com elas não poderia bem se valer de si mesmo, preferindo enfrentar o inimigo apenas com sua funda e sua faca. Enfim, as armas de outrem, ou te caem de cima, ou te pesam ou te constrangem.

Carlos VII, pai de Luís XI, tendo com sua fortuna e sua virtude libertado a França dos ingleses, conheceu essa necessidade de armar-se com forças próprias, e organizou em seu reino, por forma regular, as armas de cavalaria e de infantaria. Mais tarde, o Rei Luís, seu filho, extinguiu a infantaria e começou a aliciar os suíços, erro esse que, seguido de outros, tornou-se, como realmente agora se vê, a razão dos perigos daquele reino, Na verdade, dando reputação aos suíços, Luis aviltou todas as suas tropas, já que extinguiu as forças de infantaria e subordinou sua cavalaria às milícias de outrem, e a esta, acostumada a militar com os suíços, pareceu não ser possível vencer sem eles. Daí decorre que não bastam os franceses contra os suíços e, sem os suíços, não tentam a luta contra os outros. Os exércitos de França, pois, têm sido mistos, parte de mercenários e parte de tropas próprias, forças essas que, juntas, são muitos melhores que as simples auxiliares ou as meramente mercenárias e muito inferiores ao exército próprio. Basta o exemplo citado, pois o reino de França seria invencível, se a organização militar de Carlos tivesse sido desenvolvida ou conservada. Mas a pouca prudência dos homens muitas vezes começa uma coisa que lhe parece boa, sem se aperceber do veneno que ela encobre, como já disse acima a respeito das febres éticas.

Portanto, aquele que num principado não conhece os males logo no início, não é verdadeiramente sábio, o que é dado a poucos. E, se se considerar o início da ruína do Império Romano, ver-se-á ter ela resultado do simples começo de aliciamento dos godos, eis que foi dai que começaram a declinar as forças do Império Romano e todo aquele valor que se lhe tirava era atribuído a eles. Concluo, pois, que, sem ter armas próprias, nenhum principado está seguro; ao contrário, fica ele totalmente sujeito à sorte, não havendo virtude que o defenda na adversidade. Foi sempre opinião e sentença dos homens sábios, quod nihíl sit tam infirmum aut instabile, quam fama potentiae non sua vi nixa. As forças próprias são aquelas que se constituem de súditos, de cidadãos ou de criaturas tuas; todas as outras são ou mercenárias ou auxiliares. O modo de organizar as tropas próprias será fácil de encontrar, se se analisar a organização dos quatro por mim mencionados, e se se considerar como Felipe, pai de Alexandre Magno, e muitas repúblicas e principados, se armaram e organizaram; a essas organizações eu me reporto inteiramente.


CAPÍTULO XIV

O QUE COMPETE A UM PRÍNCIPE ACERCA DA MILÍCIA (TROPA)

(QUOD PRINCIPEM DECEAT CIRCA MILITIAM)

Deve, pois, um príncipe não ter outro objetivo nem outro pensamento, nem tomar qualquer outra coisa por fazer, senão a guerra e a sua organização e disciplina, pois que é essa a única arte que compete a quem comanda. E é ela de tanta virtude, que não só mantém aqueles que nasceram príncipes, como também muitas vezes faz os homens de condição privada subirem àquele posto; ao contrário, vê-se que, quando os príncipes pensam mais nas delicadezas do que nas armas, perdem o seu Estado. A primeira causa que te faz perder o governo é negligenciar dessa arte, enquanto que a razão que te permite conquistá-lo é o ser professo da mesma.

Francisco Sforza, por estar armado, de cidadão privado que era, tornou-se duque de Milão; os filhos, para fugir às fadigas das armas, de duques passaram a simples cidadãos privados. Em verdade, entre outros males que te acarreta o estares desarmado, ele te torna vil, o que constitui uma daquelas infâmias de que o príncipe se deve guardar, como abaixo será exposto. Realmente, entre um príncipe armado e um desarmado, não existe proporção alguma, e não é razoável que quem esteja armado obedeça com gosto ao que seja desprovido de armas, nem que o desarmado se sinta seguro entre servidores armados, eis que, existindo desdém de parte de um e suspeita do lado do outro, não é possível ajam bem, estando juntos. Ainda, um príncipe que não entende de tropas, além dos outros prejuízos referidos, sofre aquele de não poder ser estimado pelos seus soldados e nem poder neles confiar.

Deve o príncipe, portanto, não desviar um momento sequer o seu pensamento do exercício da guerra, o que pode fazer por dois modos: um com a ação, o outro com a mente, Quanto à ação, além de manter bem organizadas e exercitadas as suas tropas, deve estar sempre em caçadas para acostumar o corpo às fadigas e, em parte, para conhecer a natureza dos lugares e saber como surgem os montes, como embocam os vales, como se estendem as planícies, e aprender a natureza dos rios e dos pântanos, pondo muita atenção em tudo isso. Esses conhecimentos são úteis por duas razões: primeiro, aprende-se a conhecer o próprio país e pode-se melhor identificar as defesas que ele oferece; depois, em decorrência do conhecimento e prática daqueles sítios, com facilidade poderá entender qualquer outra região que venha a ter de observar, eis que as colinas, os vales, as planícies, os rios e os pântanos que existem, por exemplo, na Toscana, têm certa semelhança com os das outras províncias, de forma que, do conhecimento do terreno de uma província, se pode passar facilmente ao de outras. O príncipe que seja falto dessa perícia, está desprovido do elemento principal de que necessita um capitão, pois ela ensina a encontrar o inimigo, estabelecer os acampamentos, conduzir os exércitos, ordenar as jornadas, fazer incursões pelas terras com vantagem sobre o inimigo.

Filopémenes, príncipe dos Aqueus, dentre os louvores que lhe foram endereçados pelos escritores, mereceu também aquele de que, nos tempos de paz, em outra coisa não pensava senão em torno de guerra e, quando excursionando pelos campos com os amigos, freqüentemente parava e com eles argumentava: - Se os inimigos estivessem sobre aquela colina e nós nos encontrássemos aqui com nosso exército, qual de nós teria vantagem? Como se poderia atacá-los, mantendo a formação da tropa? Se quiséssemos nos retirar, como deveríamos proceder? Se eles se retirassem, como faríamos para persegui-los? - E propunha-lhes, andando, todos os casos que possam ocorrer em um exército; ouvia a opinião dos mesmos, dava a sua corroborando-a com argumentos, de maneira tal que, em razão dessas contínuas cogitações, jamais poderia, comandando os exércitos, encontrar pela frente algum imprevisto para o qual não tivesse solução.

Mas, quanto ao exercício da mente, deve o príncipe ler as histórias e nelas observar as ações dos grandes homens, ver como se conduziram nas guerras, examinar as causas de suas vitórias e de suas derrotas, para poder fugir às responsáveis por estas e imitar as causadoras daquelas; deve fazer, sobretudo, como, em tempos idos, fizeram alguns grandes homens que imitaram todo aquele que antes deles foi louvado e glorificado, e sempre tiveram em si os gestos e as ações do mesmo, como se diz que Alexandre Magno imitava a Aquiles, César a Alexandre, Cipião a Ciro. Quem lê a vida de Ciro escrita por Xenofonte percebe, depois, na vida de Cipião, o quanto lhe valeu para a glória aquela imitação, bem como o quanto na castidade, afabilidade, humanidade e liberalidade, Cipião se assemelhava àquilo que Xenofonte escreveu de Ciro. Um príncipe inteligente deve observar essa semelhança de proceder, nunca ficando ocioso nos tempos de paz, mas sim, com habilidade, procurar formar cabedal para poder utilizá-lo na adversidade, a fim de que, quando mudar a fortuna, se encontre preparado para resistir.


CAPÍTULO XV

DAQUELAS COISAS PELAS QUAIS OS HOMENS, E ESPECIALMENTE OS PRÍNCIPES, SÃO LOUVADOS OU VITUPERADOS

(DE HIS REBUS QUIBUS HOMINES, ET PRAESERTIM PRINCIPES, LAUDANTUR AUT VITUPERANTUR)

Resta ver agora quais devam ser os modos e o proceder de um príncipe para com os súditos e os amigos e, por que sei que muitos já escreveram a respeito, duvido não ser considerado presunçoso escrevendo ainda sobre o mesmo assunto, máxime quando irei disputar essa matéria à orientação já por outros dada aos príncipes. Mas, sendo minha intenção escrever algo de útil para quem por tal se interesse, pareceu-me mais conveniente ir em busca da verdade extraída dos fatos e não à imaginação dos mesmos, pois muitos conceberam repúblicas e principados jamais vistos ou conhecidos como tendo realmente existido. Em verdade, há tanta diferença de como se vive e como se deveria viver, que aquele que abandone o que se faz por aquilo que se deveria fazer, aprenderá antes o caminho de sua ruína do que o de sua preservação, eis que um homem que queira em todas as suas palavras fazer profissão de bondade, perder-se-á em meio a tantos que não são bons. Donde é necessário, a um príncipe que queira se manter, aprender a poder não ser bom e usar ou não da bondade, segundo a necessidade.

Deixando de parte, assim, os assuntos relativos a um príncipe imaginário e falando daqueles que são verdadeiros, digo que todos os homens, máxime os príncipes por situados em posição mais preeminente, quando analisados, se fazem notar por alguns daqueles atributos que lhes acarretam ou reprovação ou louvor. Assim é que alguns são havidos como liberais, alguns miseráveis (usando um termo toscano, porque "avaro" em nossa língua é ainda aquele que deseja possuir por rapina, enquanto "miserável" chamamos aquele que se abstém em excesso de usar o que possui); alguns são tidos como pródigos, alguns rapaces; alguns cruéis, alguns piedosos; um fedífrago, o outro fiel; um efeminado e pusilânime, o outro feroz e animoso; um humano, o outro soberbo; um lascivo, o outro casto; um simples, o outro astuto; um duro, o outro fácil; um grave, o outro leviano; um religioso, o outro incrédulo, e assim por diante.

Sei que cada um confessará que seria sumamente louvável encontrarem-se em um príncipe, de todos os atributos acima referidos, apenas aqueles que são considerados bons; mas, desde que não os podem possuir nem inteiramente observá-los em razão das contingências humanas não o permitirem, é necessário seja o príncipe tão prudente que saiba fugir à infâmia daqueles vícios que o fariam perder o poder, cuidando evitar até mesmo aqueles que não chegariam a pôr em risco o seu posto; mas, não podendo evitar, é possível tolerá-los, se bem que com quebra do respeito devido. Ainda, não evite o príncipe de incorrer na má faina daqueles vícios que, sem eles, difícil se lhe torne salvar o Estado; pois, se bem considerado for tudo, sempre se encontrará alguma coisa que, parecendo virtude, praticada acarretará ruína, e alguma outra que, com aparência de vício, seguida dará origem à segurança e ao bem-estar.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...