quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

MITO E FILOSOFIA: ALGUMAS INFORMAÇÕES IMPORTANTES SOBRE O SABER MÍTICO

contador de acesso

MITO GREGO
MITO HOJE
Prof. Lucio LOPES


Mito Grego






Veja bem, conforme as teorias científicas, a vida teria em torno de 6 bilhões de anos; o homem em torno de 3 milhões de anos - sendo que o Sapiens teria em torno de 100 mil anos e há apenas 10 mil anos que o homem passou a viver em Civilizações. Assim como tudo no Universo passa por uma evolução o conhecimento também sofre este processo. 

Assim é que, até o Século VI a.C. os povos antigos orientavam suas vidas basicamente através do Mito primitivo ( conhecimento que busca explicar as realidades humanas a partir do mundo sobrenatural); somente no Séc. VI a.C. é que teremos a invenção pelos Gregos da Reflexão Filosófica orientada pelo exercício racional; a Ciência, assim como conhecemos com todo seu rigor metodológico e autonomia em suas áreas de estudos específicos é um evento pós-Renascimento Cultural no Séc. XV d.C.. Temos como marco histórico desse processo o grande pensador e cientista Galileu Galilei.

O Mito Grego e dos povos antigos - enquanto conjunto de conhecimentos - nada tem em comum com o mito hoje. Precisamos entender bem isto para evitarmos confusões maiores. 

O Mito Grego e dos povos antigos é caracteristicamente existencial ou seja, busca atingir a totalidade do real. Além de acomodar e tranqüilizar o ser humano diante de um mundo assustador, dando-lhe a confiança de que, através de suas ações mágicas, o que acontece no mundo natural depende em parte, dos seus atos... 

Daí a importância dos ritos religiosos mitológicos. Também é bom lembrar que neste conjunto de conhecimentos encontra-se fortemente presente o conhecimento religioso característico de cada uma das culturas. 

O homem na falta do conhecimento filosófico e científico tinha, teve e sempre terá a tentação de buscar uma explicação no mundo sobrenatural (Quando p. ex. os primeiros doentes "HIV-positivos surgiram em fins da década de 70 nos EUA, pegou todo mundo de surpresa e na busca de uma explicação para acalmar os ânimos não se demorou muito para propalarem a explicação que encontrava eco no senso comum; resposta esta que rotulava a AIDS em seu primeiro momento como a "Praga gay"). 

O Mito como já afirmei em outros ensaios fixa modelos exemplares de todas as funções e atividades humanas orientando o cotidiano do homem grego antigo. 

O mito ao lado das ARTES como conjunto de conhecimentos, é a primeira forma de dar significado ao mundo. Negar o mito é negar uma das expressões fundamentais da existência humana. 

Por isso mesmo, a condição "sine qua non" implícita nele, que ausente em nosso processo de compreensão, impediria entendermos como o conhecimento Ocidental se formou - como é que nasceu a Filosofia-Ciência.


O MITO HOJE

Reafirmando o que disse anteriormente, o Mito enquanto conjunto de conhecimentos que abarca as questões existenciais convive ainda hoje em nossa contemporaneidade ao lado dos avançados conhecimentos filosóficos, científicos e artísticos. 

Povos indígenas no Brasil e Américas, africanos, asiáticos, etc... em cada cada qual, o Mito é caracterizado a partir de suas culturas respectivas. Mas em nossas grandes cidades o Mito também se faz presente - porém o Mito hoje tem a função de responder às nossas necessidades de fantasias frente a um mundo racional por demais.
O Mito é produzido, reproduzido e muitas vezes comercializado através de conhecimentos fragmentados: é a expressão de nossa natureza inconsciente e primitiva. Super-heróis, que encarnam o Bem e a Justiça em um mundo violento; no campo político líderes que prometem o paraíso terrestre: riqueza, segurança, punição para os maus...; artistas modelos a serem seguidos: sempre cheios da grana, envoltos por pessoas bonitas e ricas, saudáveis...; as novelas televisivas trabalham vários temas sociais ao mesmo tempo e às vezes conseguem mitologizar alguns aspectos míticos como por exemplo o casamento - ao final das novelas acontece um grande "fim de feira", casamentos e mulheres gravidas aos montes (a solução de todos os problemas, o apaziguamento de todas as paixões e conflitos).

O "mito do Milagre" - aproveitado por igrejas e lideranças religiosas, para ganharem dinheiro em cima da "boa fé" de seus seguidores é outro exemplo. 

Fazem de Deus um mercador sempre a negociar em um balcão a benevolência de suas criaturas: "façam isto que dou em troca isto!" 

Um Deus comerciante é a banalização mais pobre do Deus cristão: a beleza e verdade de Jesus reside justamente no fracasso de todas as expectativas do homem em relação a ele: é pobre, não moralista, contestador dos abusos de sua própria religião, não preconceituoso, prega o amor e a unidade, rechaça o fantástico implícito nos milagres, etc... 

Além de lucrativo para essas lideranças e suas instituições é lucrativo para as indústrias de discos - CDs, imagens, livros etc... É lucrativo para muitos médicos que escondem a incompetência ou erros de "diagnósticos médicos" - livrando-se de processos reparadores de danos físicos e morais na justiça e vou mais longe ainda, é lucrativo para as lideranças políticas que encontram na promoção deste "Mito do Milagre" uma forma de sustentar a alienação política para continuarem limpando os cofres públicos em próprio benefício.

Poderia citar um número quase infinito de exemplos, mas estes já dão uma ideia do mito presente em nosso momento contemporâneo. 

Estes mitos possuem poder simbólico no imaginário da população e independem do grau de instrução do indivíduo - pois quanto mais seu emotivo estiver em evidência mais presa fácil do mito ele será. 

O mito hoje tem uma conceituação popular que é verdadeira: mentira que de tanto repetida se torna verdade. Podemos dizer que o mito foi especializado e assim, podemos escolher um mito da sexualidade, dos esportes, da política, sem que isso cause uma revolução em nossa vida. Respondem apenas ao nosso desejo de fantasias primitivas. Mas podem sim, nos tornar ingênuos frente a realidade concreta se não cuidarmos de lidar com eles através da razão investigativa e crítica: pois que razão e mito caminham de mãos dadas habitando nosso cotidiano contemporâneo. 

___________________________________________________________
O Mito assim como a Filosofia, as Ciências, As artes, As Religiões e o Senso Comum - são os conjuntos de conhecimentos mais importantes na formação do Conhecimento Ocidental.

Como se caracteriza o Mito Grego:
Os gregos, assim como todos os povos antigos, criaram mitos para poderem passar mensagens para as pessoas, afim de organizar a vida em sociedade, dar explicações frente às questões existenciais e também com o objetivo de preservar a memória histórica de seu povo. 

Há três mil anos atrás, não haviam explicações científicas para grande parte dos fenômenos da natureza ou para os acontecimentos históricos. 

Portanto, para buscar um significado para os fatos políticos, econômicos e sociais, naturais, os gregos criaram uma série de Estórias, de origem imaginativa, que eram transmitidas, principalmente, através da literatura oral. Ou seja, a autoridade desses conhecimentos estava no mundo sobrenatural e no caso dos gregos nos deuses e em suas relações entre si ou mesmo com os mortais. 

Os conhecimentos produzidos pelo mito eram aceitos como verdadeiros e tinham características dogmáticas ou seja, não podiam ser contestados. É impossível entender o conhecimento Ocidental sem considerarmos o Mito Grego: ele é uma fonte com dados históricos, psicológicos, econômicos, materiais, artísticos, políticos e culturais; extremamente importante.
As três principais características do Mito cf. CHAUI em sua obra "Convite à Filosofia são:"(...) Função explicativa: o presente é explicado por alguma ação passada cujos efeitos permanecem no tempo. Por exemplo, uma constelação existe porque, no passado, crianças fugitivas e famintas morreram na floresta e foram levadas ao céu por uma deusa que as transformou em estrelas; (...) Função organizativa: o mito organiza as relações sociais (...) de modo a legitimar e garantir a permanência de um sistema complexo de proibições e permissões. (...)" Farei um resumão de uma narrativa mítica que se encaixa nesta função explicitada por CHAUI: No mito grego Laio, pai de Édipo, foi avisado por um oráculo de que um dia seu filho o mataria. Laio mandou que o bebê fosse levado para fora da cidade a fim de morrer, mas ele foi encontrado e adotado por Polibo, rei de Corinto. Jovem, Édipo ficou sabendo por um outro oráculo de seu destino: matar o pai e casar-se com a própria mãe. Querendo evitar este destino, Laio fugiu da presença de Polibo e sua mãe, pois pensava serem eles seus pais verdadeiros. No caminho, encontrou um desconhecido com quem brigou; bateu nele com o cajado, e matou-o. O homem era Laio, seu verdadeiro pai. Chegando em Tebas, ele decifra o enigma da esfinge - libertando a cidade de um terrível monstro - e o rei como recompensa lhe dá como esposa Jocasta, com quem teve filhos. Para punir o assassino de Laio, a cidade foi atingida por uma grande peste. Conforme os deuses a peste só cessaria quando o assassino aparecesse. Édipo investiga e descobre ser ele o assassino do próprio pai e que Jocasta, sua esposa, era na verdade sua mãe. Jocasta cometeu suicídio e Édipo ficou cego ao tirar-lhe seus próprios olhos. Foi para o exílio e desapareceu da terra. Esta narração mítica tem a função de proibir o incesto. A terceira função de acordo com Chauí é a Função compensatória: "(...) o mito narra uma situação passada, que é a negação do presente e que serve tanto para compensar os humanos de alguma perda como para garantir-lhes que um erro passado foi corrigido no presente (...)".



Características gerais da estruturação do Mito Grego
Os gregos antigos enxergavam vida em quase tudo que os cercavam, e buscavam explicações para tudo. Estas explicações encontravam sua autoridade no mundo sobrenatural. A imaginação fértil deste povo criou personagens e figuras mitológicas das mais diversas. 

Heróis, deuses, ninfas, titãs e centauros habitavam o mundo material, influenciando em suas vidas. Bastava ler os sinais da natureza, para conseguir atingir seus objetivos. A pitonisa, espécie de sacerdotisa, era uma importante personagem neste contexto. Os gregos a consultavam em seus oráculos para saber sobre as coisas que estavam acontecendo e também sobre o futuro. Quase sempre, a pitonisa buscava explicações mitológicas para tais acontecimentos. Agradar uma divindade era condição fundamental para atingir bons resultados na vida material. Um trabalhador do comércio, por exemplo, deveria deixar o deus Hermes sempre satisfeito, para conseguir bons resultados em seu trabalho. 

Por ser Politeísta e Antropomórfico o Mito Grego era colocado em prática numa troca entre os gregos e seus deuses e isto se dava através de cultos religiosos. 

Cada cidade mantinha seus templos que recebiam grande número de romeiros que iam em busca das benesses. Num paralelo com o cristianismo católico muitas das festas religiosas praticadas ainda hoje são apenas substituições de costumes gregos ou seja, cópias que receberam a marca do "carimbo" do cristianismo - isto deve-se ao fato de que o Catolicismo-Cristianismo tornou-se religião oficial em Roma e Roma enquanto Cultura, já disse Hegel - é cópia literal da Cultura Grega (mesmo com a Filosofia o Mito persiste... Não se mata sentimentos religiosos... 

Por exemplo, o Machismo Ocidental, enquanto valor massificado pela religião cristã só poderia ser extinto se com ele também fosse a religião, como isto não é possível - então terá de ser por lutas sociais e vitórias localizadas fazendo com que o machismo ocidental no mínimo seja enfraquecido / o que já será proporcionalmente grande vitória = o poder da religião é tão grande que os preconceitos latentes na sociedade hoje.

Discriminação de cor, religião, culturas, opção sexual, idosos, deficientes físicos... encontram suas raízes cravadas no judaísmo-cristianismo em nosso caso / é uma tese que merece muitas linhas e explicações filosóficas): hoje, por exemplo, as cidades possuem templos dedicados ao padroeiro ou padroeira - na Pólis Grega cada cidade é protegida por um deus. E não se escandalize: o povo Judeu vivia também de conhecimentos mitológicos e a sua marca diferenciada era o de ser orientado religiosamente pelo monoteísmo.

Os principais seres mitológicos da Grécia Antiga eram :

- Deuses: eram imortais e surgiram dos deuses primordiais: Gaia, Eros, Nix, Tártaro e Erebus. Os primordiais foram gerados pelo CAOS.

- Heróis : seres mortais, filhos de deuses com seres humanos. Exemplos : Herácles ou Hércules e outros.

- Ninfas : seres femininos que habitavam os campos e bosques, levando alegria e felicidade.

- Sátiros : figura com corpo de homem, chifres e patas de bode.
- Centauros : corpo formado por uma metade de homem e outra de cavalo.
- Sereias : mulheres com metade do corpo de peixe, atraíam os marinheiros com seus cantos atraentes.
- Górgonas : mulheres, espécies de monstros, com cabelos de serpentes. Exemplo: Medusa
- Quimeras : mistura de leão e cabra, soltavam fogo pelas ventas. 



O Minotauro

É um dos mitos mais conhecidos e já foi tema de filmes, desenhos animados, peças de teatro, jogos etc. Esse monstro tinha corpo de homem e cabeça de touro. Forte e feroz, habitava um labirinto na ilha de Creta. Alimentava-se de sete rapazes e sete moças gregas, que deveriam ser enviadas pelo rei Egeu ao Rei Minos, que os enviavam ao labirinto. Muitos gregos tentaram matar o minotauro, porém acabavam se perdendo no labirinto ou mortos pelo monstro.

Certo dia, o rei Egeu resolveu enviar para a ilha de Creta seu filho, Teseu, que deveria matar o minotauro. Teseu recebeu da filha do rei de Creta, Ariadne, um novelo de lã e uma espada. O herói entrou no labirinto, matou o Minotauro com um golpe de espada e saiu usando o fio de lã que havia marcado todo o caminho percorrido.
Deuses gregos
De acordo com o gregos, os deuses habitavam o topo do Monte Olimpo, principal montanha da Grécia Antiga. Deste local, comandavam o trabalho e as relações sociais e políticas dos seres humanos. Os deuses gregos eram imortais, porém possuíam características de seres humanos. Ciúmes, inveja, traição e violência também eram características encontradas no Olimpo. Muitas vezes, apaixonavam-se por mortais e acabavam tendo filhos com estes. Desta união entre deuses e mortais surgiam os heróis. 
Conheça os principais deuses gregos
Zeus - deus de todos os deuses, senhor do Céu.
Afrodite - deusa do amor, sexo e beleza.
Poseidon - deus dos mares
Hades - deus dos mortos, dos cemitérios e do subterrâneo.
Hera - deusa dos casamentos e da maternidade.
Apolo - deus da luz e da cura e doenças, dos jovens - obras de artes.
Artemis - deusa da caça.
Ares - divindade da guerra..
Atena - deusa da sabedoria e da serenidade. Protetora da cidade de Atenas.
Hermes - divindade que representava o comércio e as comunicações
Hefestos - divindade do fogo e do trabalho.



Por hoje é tudo.


Fontes:
ALVES, Fátima e outros. A chave do agir: Introdução à Filosofia. Lisboa: Texto Editora Ltda, 1998.

ARANHA Maria Lúcia de Arruda, MARTINS, Maria Helena Pires. Temas de Filosofia. 2.ed. São Paulo: Moderna, s.d.
 _________________________________. Filosofando: Introdução à Filosofia. 4.ed. São Paulo: Moderna, 2009.

CARDOSO, Osvaldo e outros. Filosofia: Ensino Médio (Livro Didático da S.E.ED./PR). 2. ed.Curitiba: SEED/PR, 2008.



Filoparanavai 2014

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...