http://filoparanavai.blogspot.com.br/

domingo, 7 de fevereiro de 2010

Ética: ética como cuidado consigo mesmo, com o outro e com o Planeta

Counter


FILOSOFIA


Ensaio / resenha de Filosofia


Ética: Felicidade e Virtude em Platão e Aristóteles


ÉTICA:: eis que urge o tempo e o tempo é agora, de cuidar da vida, usando a razão


Cicuta, a bebida socrática

Nome científico: Conium maculatum

Família: Umbeliferae ou Apiaceae.

Nome comum: cicuta, funcho - selvagem.

Importância: planta tóxica.

Descrição Botânica: planta perene de grandes raízes, com altura em torno de 1,80 m, caule oco e recoberto com manchas púrpuras, folhas que lembram as da salsa, flores pequenas e brancas.

Habitat: é encontrada em solos férteis e úmidos.

Distribuição geográfica: Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Animais sensíveis à intoxicação: eqüinos, bovinos, caprinos, ovinos, suínos, patos e homem.

Princípio ativo: alcalóides.

Partes tóxicas da planta: folhas, caule, raízes e frutos não maduros.

Condições que favorecem a ocorrência das intoxicações: ingestão acidental juntamente com as forrageiras; escassez de forragem.

Sintomas: os primeiros sintomas surgem entre 15 minutos e 2 horas após a ingestão da planta. Nos ruminantes se caracterizam por dificuldade de deglutição; incoordenação, tremores musculares, dificuldade respiratória; salivação, eructação intensa, regurgitação do conteúdo ruminal, movimentos de pedalagem. Nos suínos se caracterizam por vômitos, dificuldades de ficar em pé, incoordenação dos movimentos de andar, contrações e tremores musculares.

Fonte: http://www.agrov.com/vegetais/plantas/cicuta.htm

Para ajudar a conceiturar a ética:

A origem da palavra ética vem do grego “ethos”, que quer dizer o modo de ser, o caráter. Os romanos traduziram o “ethos” grego, para o latim “mos” (ou no plural “mores”), que quer dizer costume, de onde vem a palavra moral. Tanto “ethos” (caráter) como “mos” (costume) indicam um tipo de comportamento propriamente humano que não é natural, o homem não nasce com ele como se fosse um instinto, mas que é “adquirido ou conquistado por hábito” (VÁZQUEZ). Portanto, ética e moral, pela própria etimologia, diz respeito a uma realidade humana que é construída histórica e socialmente a partir das relações coletivas dos seres humanos nas sociedades onde nascem e vivem.

No nosso dia-a-dia não fazemos distinção entre ética e moral, usamos as duas palavras como sinônimos. Mas os estudiosos da questão fazem uma distinção entre as duas palavras. Assim, a moral é definida como o conjunto de normas, princípios, preceitos, costumes, valores que norteiam o comportamento do indivíduo no seu grupo social. A moral é normativa. Enquanto a ética é definida como a teoria, o conhecimento ou a ciência do comportamento moral, que busca explicar, compreender, justificar e criticar a moral ou as morais de uma sociedade. A ética é filosófica e científica. Nenhum homem é uma ilha”. Esta famosa frase do filósofo inglês Thomas Morus, ajuda-nos a compreender que a vida humana é convívio. Para o ser humano viver é conviver. É justamente na convivência, na vida social e comunitária, que o ser humano se descobre e se realiza enquanto um ser moral e ético. É na relação com o outro que surgem os problemas e as indagações morais: o que devo fazer? Como agir em determinada situação? Como comportar-me perante o outro? Diante da corrupção e das injustiças, o que fazer?

Portanto, constantemente no nosso cotidiano encontramos situações que nos colocam problemas morais. São problemas práticos e concretos da nossa vida em sociedade, ou seja, problemas que dizem respeito às nossas decisões, escolhas, ações e comportamentos - os quais exigem uma avaliação, um julgamento, um juízo de valor entre o que socialmente é considerado bom ou mau, justo ou injusto, certo ou errado, pela moral vigente.

O problema é que não costumamos refletir e buscar os “porquês” de nossas escolhas, dos comportamentos, dos valores. Agimos por força do hábito, dos costumes e da tradição, tendendo à naturalizar a realidade social, política, econômica e cultural. Com isto, perdemos nossa capacidade critica diante da realidade. Em outras palavras, não costumamos fazer ética, pois não fazemos a crítica, nem buscamos compreender e explicitar a nossa realidade moral.

No Brasil, encontramos vários exemplos para o que afirmamos acima. Historicamente marcada pelas injustiças sócio-econômicas, pelo preconceito racial e sexual, pela exploração da mão-de-obra infantil, pelo “jeitinho” e a “lei de Gerson”, etc, etc. A realidade brasileira nos coloca diante de problemas éticos bastante sérios. Contudo, já estamos por demais acostumados com nossas misérias de toda ordem.

Naturalizamos a injustiça e consideramos normal conviver lado a lado as mançôes e os barracos, as crianças e os mendigos nas ruas; achamos inteligente e esperto levar e os mendigos nas ruas; achamos inteligente e esperto levar vantagem em tudo e tendemos a considerar como sendo etário quem procura ser honesto. Na vida pública, exemplos é o que não faltam na nossa história recente: «anões do orçamento”, impeachment de presidente por corrupção, compras de parlamentares para a reeleição, os medicamentos "b o", máfia do crime organizado, desvio do Fundef, etc. etc.

Não sem motivos fala-se numa crise ética, já que tal realidade não pode ser reduzida tão somente ao campo político-econômico. Envolve questões de valor, de convivência, de consciência, de justiça. Envolve vidas humanas. Onde há vida humana em jogo, impõem-se necessariamente um problema ético. O homem, enquanto ser ético, enxerga o seu semelhante, não lhe é indiferente. O apelo que o outro me lança é de ser tratado como gente e não como coisa ou bicho. Neste sentido, a Ética vem denunciar toda realidade onde o ser humano é coisificado e animalizado, ou seja, onde o ser humano concreto é desrespeitado na sua condição humana.

Fonte: http://www.dhnet.org.br/direitos/codetica/textos/oque_e_etica.html

Etimologicamente falando, ética vem do grego "ethos", e tem seu correlato no latim "morale", com o mesmo significado: Conduta, ou relativo aos costumes. Podemos concluir que, a Ética estuda o Bem e, assim, o seu objetivo é a virtude na condução da vida, facilitando a realização das pessoas: que o ser humano consiga a perfeição, isto é, a realização de si próprio como tal, como pessoa. "(...) o contrário de outros seres, vivos ou inanimados, nós, seres humanos, podemos inventar e escolher em parte a nossa forma de vida. Podemos optar pelo que nos parece bom, quer dizer, conveniente para nós, frente ao que nos parece mau e inconveniente... E, como podemos inventar e escolher, podemos enganar-nos, que é uma coisa que não costuma acontecer a castores, abelhas e térmitas. Assim, parece prudente estarmos bem atentos ao que fazemos e procurar um certo saber viver que nos permita acertar. Esse saber viver, ou arte de viver, se preferires, é aquilo a que se chama ética." Conforme Fernando Sabater.
Vários pensadores em diferentes épocas abordaram especificamente assuntos sobre a ÉTICA: Os pré-socráticos, Aristóteles, os Estóicos, os pensadores Cristãos (Patrísticos, escolásticos e nominalistas), Kant, Espinoza, Nietzsche, La boétie, Paul Tillich etc.

Prisão em Atenas-Grécia, onde Sócrates ficou nos dias que antecederam a execução de sua pena

ηθική
φιλοσοφία

Platão dizia na obra “República” que, assim como a fome e a sede são sinais do corpo e do que lhe falta, também a ignorância e a escassez de conhecimento é um sinal da alma e de suas carências.

Retomemos a letra da “Balada do Louco” de autoria desconhecida e interpretada por Ney Matogrosso e Rita Lee e um grande número de cantores/as; ali nas entrelinhas podemos entender a afirmação platônica exposta acima:

Dizem que sou louco por pensar assim
Se eu sou muito louco por eu ser feliz
Mas louco é quem me diz
E não é feliz, não é feliz Se eles são bonitos, sou Alain Delon Se eles são famosos, sou Napoleão Mas louco é quem me diz E não é feliz, não é feliz Eu juro que é melhor Não ser o normal Se eu posso pensar que Deus sou eu Se eles têm três carros, eu posso voar Se eles rezam muito, eu já estou no céu Mas louco é quem me diz E não é feliz, não é feliz Sim sou muito louco, não vou me curar Já não sou o único que encontrou a paz Mais louco é quem me diz E não é feliz Eu sou feliz

O agir ético deve fazer com que cada um de nós nos ocupemos do “cuidado” para conosco mesmo, para com nosso próximo e para com o Planeta. As vezes reclamamos que o homem descuidou-se de nossa casa comum, o Planeta. A culpa é dos ricos que jogando todo tipo de lixo na natureza, de forma indiscriminada, fizeram com que a natureza “doente” agora tenha as mais diferentes “reações”: cânceres de pele, falta de água potável, falta de alimentos devido a grandes secas regionais, terremotos, etc. Ora, é verdade que as grandes indústrias são responsáveis sim, mas nós não podemos de forma alguma negar que também somos responsáveis. O agir ético seria, como afirmava Aristóteles, o agir de forma virtuosa. Se isto é verdade, a virtude sempre falta e por conseqüência a ética também, quando nos descuidamos e não agimos de forma virtuosa nas pequenas coisas.

Toda vez que jogo um lixo na rua, numa praça, seja onde for; eu lanço a possibilidade em potencial de me tornar um grande depositador de lixos na natureza. Fico observando nas rodovias de minha cidade a grande quantidade de lixo deixado em suas margens. Ora, quem foi capaz desse ato insano de abandonar na rodovia garrafas de plásticos que levarão décadas para chegar a uma decomposição total, antes jogou mais lixo em algum lugar, em algum momento da história anterior de sua vida. Em minha cidade observo já faz muito tempo que em nossas estradas rurais, bem lá onde se encontram em suas adjacências algumas nascentes de água; pessoas inescrupulosas e nada virtuosas, e diga-se de passagem de condições econômicas boas, são capazes de juntar lixo em suas residências durante a semana e sabe-se lá por quais motivos, colocam o mesmo em seus veículos e vão até estas estradas rurais onde o lançam...

Parece algo inocente, mais não é. Aquela “garrafa”, por exemplo, pode ser levada pelo vento ou pela chuva até nascentes de água e colocar estas nascentes em “perigo existencial”. Podem entupir bueiros e provocar calamidades públicas, etc. Por exemplo, todos aprendemos um dia em uma auto-escola que devemos dar seta sempre que decidirmos pela direita ou esquerda na condução de nosso veículo. Ora, o dia que deixo de fazer isto por estar em um local sem movimentação de outros veículos eu abro a possibilidade para que em outros momentos, viciado que ficarei no hábito não virtuoso, para que não de o sinal quando for necessário e assim acabarei colocando vidas em perigo...

Ora, o agir ético não é uma lei estabelecida por algum legislador. Agir de forma ética é agir de acordo com uma consciência virtuosa e que compreendeu que o homem faz parte de uma rede de vida que, para não ser rompida necessita de minha colaboração. Para Platão equidade e justiça na sociedade são idênticas nos indivíduos. A razão deve nos governar diante das circunstâncias cotidianas. A virtude seria um tipo de saúde e de beleza e o vício, não é mais que um tipo de doença. Quanto mais me deixo governar por ações viciosas, mais me torno não ético. Para Platão, a bondade e/ou maldade de algo reside exclusivamente nas suas ações. Logo, podemos concluir que o homem só pode alcançar o BEM Platônico/Aristotélico ou seja, a FELICIDADE, somente se as referidas ações especificas forem realizadas de maneira mais perfeita e excelente, pelo exercício da razão.

Para adquirir esta felicidade plena o homem concreto necessita da ajuda de outras pessoas. É por isso que o homem é político por natureza. Se olharmos para a história das origens da filosofia em Atenas – na Grécia Antiga – veremos justamente que os primeiros filósofos (chamados de cosmologistas ou físicos ) ocuparam-se em um primeiro momento em buscar e/ou dar novas explicações para as questões existenciais envolvendo o COSMO, como por exemplo sua origem, a constituição dos seres no mesmo e a forma em que se dá a ORDEM nele. De Tales até os sofistas, esta foi a abordagem filosófica. Com os sofistas a filosofia voltou sua atenção para o homem cidadão. Os sofistas buscavam instruir os jovens cidadãos e torná-los capazes de expor e defender idéias. A oratória principalmente era um dos objetivos sofistas. Os sofistas se destacaram por ocupar-se de uma infinidade de temas. Só com Sócrates é que teremos uma abordagem filosófica exclusivamente antropológica ou seja, Sócrates acreditava que somente depois que o homem conhecesse a si mesmo é que estaria apto para fazer outras investigações acerca da sociedade e da natureza (Cosmo). Sócrates concordava em uma coisa com os sofistas: o homem é político por natureza e precisa por isso mesmo, receber uma educação contraria àquela de antes da filosofia.

Virtude quer dizer uma firme e constante disposição para a prática do bem. Mesmo no cristianismo somos chamados pela razão e pelo coração, conforme ensinava o Líder Jesus, à prática do Bem. Amar o inimigo, por exemplo, segundo o ensinamento do Mestre Cristão, só pode tornar-se uma ação concreta se eu souber usar a razão. Ora, superar sentimentos negativos em relação ao meu “inimigo” exige um largo exercício racional. O bem é uma exigência implícita na práxis cristã e o crente em Jesus não faz mais do que sua obrigação em praticá-lo. O Bem não deve ser praticado em estado de espera por algum tipo de recompensa na eternidade. O Bem quando praticado deve me levar ao "orgasmo" da felicidade. Se isso é aplicável aos homens normais, quanto mais o é para quem se diz cristão. Deve-se acreditar, como já nos ensinava Platão na “República”, que a felicidade procede das ações realizadas, assim como a saúde resulta dos alimentos e dos medicamentos.

Assim se a felicidade for concebida como a saúde, e se ela é o Bem – objetivo - ao qual todos os homens buscam apossar-se... Então, a Ética precisa ser redescoberta, precisamos espantar a crise ética que se abate sobre a vida humana na contemporaneidade. É preciso expulsarmos o egoísmo, e com ele a ignorância. A vida de um homem é muito curta para ser gasta no egoísmo e na ignorância. Estou convencido por exemplo que a informação pode combater a ignorância e de quebra estaremos também expulsando os preconceitos doentios que levam pessoas mal resolvidas a discriminarem seus semelhantes por terem feito opções (não convecionais) ou serem diferentes na cultura, na cor, na situação social. O agir ético exige de forma “sine qua non” a superação do egoísmo e da ignorância, o uso da razão por excelência.

Platão chamava a ética de sabedoria prática. Centrada na práxis, ela se diferenciava, pra ele e também para Aristóteles das ciências teóricas (como veremos no ensaio que vou teclar futuramente). Platão identificava na ética o pensar volitivo, cujo controle estaria ao nosso alcance. O fim do pensar volitivo é o agir ético orientado por uma conduta virtuosa. Porém, tanto Platão como para os neo-platônicos houve uma espécie de separação, instauraram uma dualidade entre teoria e práxis – dualismo que produziria um prejuízo enorme e que marcaria profundamente o conjunto de conhecimentos cristãos no Ocidente. Aristóteles por sua vez não beneficia esta dualidade. Os princípios fundamentais da ética aristotélica são: o caráter prático da ética, sua vinculação com a política, a natureza racional da felicidade humana e a relação entre o conhecimento da verdade e a prática da virtude.

Por hoje é só – a bibliografia utilizada para fundamentar o texto aqui exposto é a obra a “República” de Platão somada ao meu capital de conhecimentos acerca de Aristóteles, continuaremos no próximo ensaio a ser teclado. Boa semana pra você e os seus. Com ternura, abraços de Lucio

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...