RECOMENDE O BLOG FILOPARANAVAI PARA SEUS AMIGOS NO FACEBOOK

    terça-feira, 24 de junho de 2014

    AS DIFERENÇAS ENTRE OPINIÃO E ARGUMENTAÇÃO


    Opinião, todos temos. Não importa quais são os saberes que sustentam essa opinião. Pode ela estar fundamentada em um saber de caráter meramente subjetivo senso comum e/ou em algum saber orientado por crença religiosa. Porém, de quem apresenta-se como cidadão espera-se muito mais que uma opinião sustentada por saberes de caráter subjetivo. 

    É aí então que entra a educação e sua finalidade. O saber ensinado na escola é de caráter objetivo e/ou seja, então, a saber: científico, filosófico; a finalidade da educação tem que ser de humanizar e possibilitar a competência do exercício da cidadania ao aprendiz. 

    Todo saber perpassa por três componentes essenciais: sujeito, sociedade e cultura. O sujeito é aquele que em ação trabalha e ao trabalhar se posiciona na sociedade em lugar hierárquizado, ao se relacionar em sociedade reproduz e produz aquilo que chamamos de cultura. Portanto, a educação só tem sentido de ser enquanto aquela que capacita o sujeito para ser cidadão. 

    Mas ser cidadão não é uma tarefa fácil a ser cumprida pela educação. Primeiro, porque a educação não acontece de forma unilateral e muito menos individualizada, a educação que lida diretamente com conhecimento há que ser forjada pelas relações intersubjetivas e para que o sujeito além de cidadão pleno, seja humanizado, há que se falar de um saber originado de relações intersubjetivas (coletivas) entre sujeitos autônomos, ou seja, indivíduos livres e capazes de questionarem seus espaços de ações e capazes de intervirem nesses espaços para adequá-los às expectativas da construção de uma cultura democrática e profundamente humanizada.

    A mesma educação que deveria promover a autonomia do sujeito e capacitá-lo para a cidadania por meio de ações fundadas em conhecimentos embasados na crítica, pode ser a mesma educação que não promove essa autonomia, fazendo o sujeito aprendiz apenas reproduzir uma cultura politicamente alienante que o desumaniza em todos os sentidos.

    A distinção entre Público e Privado; Subjetividade e Objetividade; Senso Comum / Senso Religioso e Filosofia / Ciência; Razão e Crença; é fundamental para um processo que parta de nossas verdades subjetivas, perpasse nossas verdades intersubjetivas expressadas por nossas opiniões e pelo raciocínio lógico demonstrativo / argumentativo, assim chegando às verdades objetivas, reforçando nossa autonomia em relação à uma leitura mais objetiva das realidades que nos cercam para além de nossas verdades absolutizadas no âmbito da subjetividade [crenças, sentimentos, gostos]. 

    Só assim poderemos construir subjetividades autônomas e uma sociedade marcada por relações intersubjetivas que prezem pela tolerância às diversidades pautada pelo respeito mútuo. Antes de tudo, o texto seguinte pode nos auxiliar em uma compreensão mais extensa sobre o que é a opinião e a argumentação em contraponto ao pensamento crítico. 

    Opinião e Argumentação: Filosofia e pensamento crítico. 

    O pensamento crítico é de algum modo o oposto do sexo na época vitoriana [A Era Vitoriana foi o período no qual a Rainha Vitória reinou sobre a Inglaterra, no século XIX, durante 63 anos, de junho de 1837 a janeiro de 1901. Foi uma época puritana e assuntos como o sexo, eram tabus.] . Na época vitoriana o sexo era uma coisa que toda a gente conhecia e no qual toda a gente pensava, mas de que quase ninguém falava. O pensamento crítico, em Portugal [no Brasil], é uma coisa de que toda a gente fala, mas quase ninguém realmente pensa criticamente nem sabe o que é tal coisa. 

    A ideia generalizada é que o pensamento crítico consiste em "dar a nossa opinião". Isto está tão próximo da verdade como dizer que uma bicicleta é uma coisa com rodas. Uma bicicleta é de fato uma coisa com rodas, mas não basta que algo tenha rodas para que seja uma bicicleta. Do mesmo modo, o pensamento crítico passa certamente por "dar a nossa opinião" — mas isso não é suficiente. Podemos perfeitamente dar a nossa opinião e não estarmos de modo algum a pensar de modo crítico — na verdade, basta ouvir os políticos e os nossos grandes "intelectuais" a falar na televisão para assistir a esse espetáculo degradante. 

    Pensar de forma crítica é saber defender as nossas opiniões com argumentos rigorosos, claros e sistemáticos. E é neste aspecto que a filosofia, encarada como uma forma de pensamento crítico, se aproxima da ciência. É que quer a ciência quer a filosofia, praticadas no seu melhor, são um apelo constante ao pensamento crítico, à argumentação — a diferença entre ambas repousa unicamente no tipo de argumentos exigidos. Não basta a um físico dizer que refutou a teoria de Einstein: ele terá de dizer rigorosamente que aspecto da teoria de Einstein ele afirma que refutou e terá de apresentar argumentos poderosos, alguns dos quais de caráter experimental, para sustentar a sua afirmação. 

    Do mesmo modo, em filosofia, não basta afirmar que "o homem é um ser situado"; é preciso começar por esclarecer o que quer tal coisa dizer realmente, e depois é preciso apresentar argumentos rigorosos, sistemáticos e claros que sustentem tal afirmação. Infelizmente, quem afirma este tipo de coisa em filosofia começa logo por nem esclarecer o que quer dizer a própria expressão de partida, pelo que nem vale a pena dar-lhes ouvidos. 

    O pensamento crítico é o pensamento que sabe usar os instrumentos argumentativos à nossa disposição, que são disponibilizados pela lógica formal e informal. Pensar criticamente é saber sustentar as nossas opiniões com argumentos sólidos e não cometer falácias nem basear as nossas opiniões em jogos de palavras e em maus argumentos de autoridade. 

    A filosofia e o pensamento crítico são a nossa melhor defesa contra a superstição. Perante as afirmações temerárias dos astrólogos, dos líderes religiosos e dos nossos políticos, a filosofia e o pensamento crítico dão-nos instrumentos para refletir sistemática, rigorosa e claramente, de modo a determinarmos se isso que eles dizem é ou não realmente sustentável. 

    Ora, a humanidade não irá sobreviver se for incapaz de encontrar soluções criativas e seguras para os problemas que enfrenta, e se substituir estas pelas soluções obscurantistas dos que defendem antes de mais nada a autoridade religiosa, a atitude acrítica perante a astrologia e outras pseudociências e a passividade perante as propostas tantas vezes absurdas dos nossos políticos. E os desafios que teremos de enfrentar a longo prazo, como espécie, são muito maiores do que a generalidade das pessoas pensa, pelo que a necessidade de um pensamento límpido e solidamente ancorado em bons argumentos é incontornável. 

    A filosofia e o pensamento crítico permitirão conceber soluções criativas e sustentadas para os problemas que enfrentamos. Por exemplo, a tecnologia médica permite-nos hoje manter pessoas vivas, em estado vegetativo, durante anos. Isto representa um problema ético a que temos de dar uma resposta clara, baseada em argumentos claros e sólidos, em vez de darmos uma resposta baseada em pressupostos religiosos dúbios. A filosofia ajuda-nos a encontrar essas respostas, precisamente. Este é apenas um exemplo; há muitos mais, como os problemas relacionados com a pobreza no mundo, com os refugiados e com a ecologia. 

    A filosofia e o pensamento crítico implicam a tolerância e o respeito, que tanta falta fazem no mundo contemporâneo. 

    A filosofia e o pensamento crítico exigem uma postura de cordialidade atenta, pois temos de escutar cuidadosamente os argumentos das outras pessoas para, juntos, encontrarmos argumentos melhores e soluções mais adequadas. 

    O nosso futuro como espécie depende em grande parte da capacidade que tivermos para cultivar o pensamento crítico — essa atitude que a ciência descobriu nos séculos XVII e XVIII e que a filosofia aprofundou nos séculos XIX e XX.  

    Compete a cada um de nós, profissionais da ciência e da filosofia, divulgar não apenas os conteúdos próprios de cada uma das nossas áreas do conhecimento, mas também essa atitude que constitui o maior monumento alguma vez erguido por mão humana: o pensamento crítico e a inteligência clara. 

    [Texto de Desidério Orlando Figueiredo Murcho (18 de Maio de 1965) é um filósofo, professor e escritor português. Disponível em: criticanarede.com/‎]

    filoparanavai 2014

    Nenhum comentário:

    Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
    Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...