http://filoparanavai.blogspot.com.br/

domingo, 27 de fevereiro de 2011

A Filosofia na História: Dos pré-socráticos à sistematização filosófica aristotélica

Counter




SOFISTAS
Conteúdos sobre os filósofos sofistas: semântica do termo sofista; quem eram eles e o que faziam, de que período da história da Filosofia eles são; o que representaram para a história da Filosofia em termos de Conhecimento Filosófico com a teoria do relativismo; porque eles criticavam os filósofos cosmologistas; porque Platão não gostava dos filósofos Sofistas e que argumentos utilizava para criticá-los. Biografias de Sócrates, Platão e Aristóteles e suas contribuições para a Filosofia.
A Filosofia Grega Antiga é dividida pedagogicamente pela referência centrada no filósofo Sócrates da cidade de Atenas, donde a divisão em Filosofia pré-socrática e socrática.
PANORAMA DA FILOSOFIA GREGA ANTIGA: DE TALES DE MILETO ATÉ ARISTÓTELES
625 a.C.: Nasce TALES de Mileto.
610 a.C.: Nasce ANAXIMANDRO de Mileto
séc. VI a.C.: Início da filosofia ocidental com Tales de Mileto. São chamados físicos, que procuram o princípio que dá origem à todas as coisas.
585 a.C.: Nasce ANAXÍMENES de Mileto.
570 a.C.: Nasce PITÁGORAS. O real se reduz a números ou combinações de números. Nasce XENÓFANES de Colofão.
556 a.C.: Morre Tales de Mileto.
547 a.C.: Morre Anaximandro de Mileto.
540 a.C.:Nasce HERÁCLITO de Éfeso. O real é puro vir a ser.
530 a.C.: Nasce PARMÊNIDES de Eléia. O vir a ser é pura aparência: o ser é imóvel.
528 a.C.: Morrem Anaxímenes de Mileto e Xenófanes de Colofão.
504 a.C.: Nasce ZENÃO de Eléia.
500 a.C.: Nasce ANAXÁGORAS. Espiritualismo, o mundo é governado por uma inteligência.
496 a.C.: Morte de Pitágoras.
487 a.C.: Nasce GÓRGIAS.480 a.C.: Nasce PROTÁGORAS, Sofística: ceticismo; fenomenismo; morre Heráclito de Éfeso
470 a.C.: Nasce SÓCRATES. Direciona a Atitude Filosófica para o homem. Conhece-te a ti mesmo. Morre Heráclito de Éfeso.460 a.C.: Nasce DEMÓCRITO. Atomismo. Materialismo. Morre Parmênides de Eléia
440 a.C.: Nasce ANTÍSTENES. Fundador da Escola cínica.
435 a.C.: Nasce ARISTIPO de Cirene. Hedonismo.
430 a.C.: Nasce PLATÃO. Realismo ontológico. Teoria das Idéias.
428 a.C.: Morre Anaxágora.
410 a.C.: Morre Protágoras.
399 a.C.: Sócrates condenado à morte em Atenas.387 a.C.: Platão funda a Academia em Atenas, a primeira universidade do planeta.
384 a.C.: Nasce ARISTÓTELES. Realismo moderado. Teoria do conceito.380 a.C.: Morre Górgias
371 a.C.: Morre Demócrito
360 a.C.: Nasce PIRRO. Ceticismo universal.
347 a.C.: Morre Platão.
341 a.C.: Nasce EPICURO. Materialismo. Moral do prazer (ataraxia).
340 a.C.: Nasce ZENÃO de Citium. Estoicismo,
335 a.C.: Aristóteles funda o Liceu em Atenas, escola rival da Academia.
330 a.C.: Nasce EUCLIDES de Alexandria. Funda a geometria
322 a.C.: Morre Aristóteles.

O primeiro momento da Filosofia foi marcado pelas escolas do período conhecido por COSMOLÓGICO: Da Escola Jônica: Tales, Anaxímenes, Anaximandro e Heráclito de Éfeso, são os principais representantes; Pitágoras é o mais importante da Escola Itálica; enquanto Parmênides da Escola Eleata.

Só para lembrar:

É uma explicação baseada em um raciocínio sistemático sobre a origem, ordem e transformação da Natureza, da qual os seres humanos fazem parte, de modo que, ao explicar a Natureza, a Filosofia também explica a origem e a mudança dos seres humanos.

Afirma que não existe criação do mundo, isto é, nega que o mundo tenha surgido do nada (como é o caso da Religião judaico-cristã, na qual Deus teria criado o mundo do nada). Para a Cosmologia: “Nada vem do nada e nada volta ao nada”. Isto significa que o mundo é eterno; no mundo tudo se transforma em outra coisa sem jamais desaparecer, embora a forma particular desapareça com ela, mas não sua matéria.

O arché é um termo fundamental na linguagem dos filósofos pré-socráticos, dado que é caracterizado pela procura da substância inicial de onde tudo deriva e é também a ideia mais antiga na filosofia, já que se tornou no ponto de passagem do pensamento mítico para o pensamento racional.
 

Os primeiros filósofos, os pré-socráticos, tentaram estabelecer um "princípio" (arché ) da origem e composição do Universo, recorrendo para isso à natureza (physis ).

Tales de Mileto, Anaximandro de Mileto e Anaxímenes de Mileto acreditavam que as coisas têm por trás de si um princípio físico, material, chamado arché .
Arché está na physis (em grego, physis vem de um verbo que significa fazer surgir, fazer brotar, fazer nascer, produzir) é o elemento primordial, invisível aos olhos humanos, porém, totalmente visível para o pensamento. É deste elemento que, é eterno (perene e imortal), de onde tudo nasce e para onde tudo volta. É nela (physis) que se origina todos os seres infinitamente variados e diferentes do mundo; sendo que ao contrário do PRINCÍPIO gerador são mortais (perecíveis).

Em suma, a mudança – nascer, morrer, mudar de qualidade ou quantidade – chama-se MOVIMENTO e o mundo está em movimento permanente. O movimento do mundo chama-se DEVIR e o devir não se dá no CAOS, mas segue uma rigorosa ordem marcada por leis rigorosas que o pensamento pode conhecer.

Arché - physis é imortal e as coisas físicas são mortais: donde os diferentes filósofos no desenvolvimento do pensamento filosófico cosmológico encontraram motivos e razões para dizer qual era o princípio eterno e imutável que está na origem da Natureza e de suas transformações. Tales a identifica na Água ou úmido; Anaximandro no Infinito e ilimitado sem qualidades definidas; Anaxímenes, no Ar ou no frio; Heráclito no Fogo. E assim por diante... Vamos ver a divisão dos grupos de filósofos cosmologistas e as suas respostas filosóficas:

Filósofos da JôniaTales – existe um único princípio que é a água.
(Tales de Mileto pensava este princípio ou arché como se da água se tratasse. A água seria a substância última da constituição das coisas. Tales afirmou que a água possui vida e movimento próprios. Já que a água é subjacente a todas as coisas, poder-se-ia dizer que tudo está vivo e animado. Tales chega a uma grande abstracção: "tudo é um", ou seja, todas as coisas são redutíveis ao seu elemento fundamental, neste caso, a água. Segundo Tales, a terra flutua sobre a água; assim sendo, a água é a causa material de todas as coisas.)

Anaximandro – princípio = ápeiron.
(Para Anaximandro, o princípio das coisas - o arché - não era algo visível, era uma substância etérea, infinita e indeterminada.)
Anaxímenes – princípio – Ar.(Para Anaxímenes de Mileto, o arché seria o ar e as coisas da natureza. Da mesma maneira que a nossa alma, que é ar, nos sustenta, também um sopro e o ar envolvem o mundo inteiro.)
Heráclito – princípio – a realidade é dinâmica = Fogo.
(Heraclito de Éfeso pensava que todas as coisas eram feitas de uma única substância, o fogo. Para ele, é impossível alguém se banhar duas vezes na mesma água no mesmo rio; o acontecer do mundo é um fluxo permanente, pois tudo está em movimento e nada dura para sempre. O mundo, para Heraclito, era como se fosse a chama de uma vela - sempre o mesmo em aparência, mas sempre se alterando na substância.)
Filósofos da Itália Meridional
Pitágoras – Descobre uma Ordem na Natureza e são os números.
(Segundo Pitágoras, os princípios da matemática, ou seja, os números são o arché . Pitágoras afirmou que os números são a essência de todas as coisas. Considerou os números, as suas relações e as formas matemáticas como a essência e a estrutura de todas as coisas. Cada coisa possui um número (arithmós arkhé ), que expressa a "fórmula" da sua constituição íntima. As leis que governam o cosmos são também relações matemáticas.)

Parmênides estuda o Ser.

Últimos pré-socráticos pluralistas
Conciliam movimento com ser único.
Representantes principais são:
Empédocles – princípio = Quatro elementos.
Anaxágoras – princípio = semelhanças.
Atomistas – princípio = Átomos.

MAIS IMPORTANTE QUE AS RESPOSTAS DADAS POR ESTES FILÓSOFOS, AO PROBLEMA EM COMUM, COSMOLÓGICO, FOI A FORMA (RACIOCÍNIO SISTEMATIZADO) EMPREGADA PARA A CONSTRUÇÃO DAS MESMAS.DA COSMOLOGIA PARA OS PROBLEMAS ANTROPOLÓGICOS
 
Com o desenvolvimento das cidades, do comércio, do artesanato e das artes militares, Atenas tornou-se o centro da vida social, política e cultural da Grécia, vivendo seu período de esplendor.

É o período do florescimento da DEMOCRACIA: igualdade de todos os homens adultos perante as leis e o direito de todos os cidadãos participarem do governo da cidade (POLIS).

O CIDADÃO (lembrando que mulheres, escravos, estrangeiros, crianças e velhos estavam excluídos da cidadania) para conseguir que sua opinião fosse aceita nas assembléias precisava dominar a fala e ser capaz de um raciocínio lógico capaz de convencer seus ouvintes.



PARA CONHECER MAIS A GRÉCIA ANTIGA
De clique aqui
(Grécia Antiga: História)
De clique aqui
(Grécia antiga: Filosofia e Filósofos)
De clique aqui
(Grécia Antiga: Geografia e História)

É necessário, agora, educadores para formarem jovens cidadãos na Arte da RETÓRICA. Surgem assim, na Grécia, os SOFISTAS.

Os sofistas são os primeiros filósofos do período socrático. Os sofistas mais importantes foram: Protágoras de Abdera, Górgias de Leontini e Isócrates de Atenas.

Em Português: sofista (so-fis-ta) s. m. e s. f. Pessoa que raciocina usando sofismas. S.m. Filósofo retórico, na Grécia antiga: Sócrates combatia os sofistas.

Semântica do termo Sofista
O termo "sofista", em sentido geral, significa "partidário da sabedoria", mas foi adquirindo um sentido pejorativo, pois seus opositores afirmavam que estes filósofos corrompiam a juventude com seus principios democráticos. Os sofistas também eram chamados de "filósofos de rua", pois percorriam as cidades fazendo discursos eloqüentes e conferências sobre diversos assuntos.

As palavras sofista, sofística (do grego antigo: σοφιστής, σοφιστικός; derivada σοφός - "sábio", "instruído"), assumem diferentes significados ao longo da história da filosofia, que merecem ser distinguidos:

1.Chama-se sofista ou sofístico, um conjunto de pensadores, oradores e professores gregos do século V a.C. (e do início do século seguinte).
2.Em Platão, seguido da maior parte dos filósofos até aos nossos dias, uma perversão voluntária do raciocínio demonstrativo para fins geralmente imorais.
3.O desenvolvimento da reflexão e o ensino da retórica, em princípio a partir do século I d.C., na prática a partir do século II, no Império romano.

Exemplo de sofisma: Todo cavalo raro é caro. Um cavalo barato, é raro. Logo; um cavalo caro é barato!
 
QUE FAZIAM?
Os sofistas eram, portanto, os educadores de seu tempo. Cada qual com um grupo de discípulos. Afirmavam que os ensinamentos dos filósofos cosmologistas estavam repletos de erros e contradições e que não tinham utilidade para a vida da polis (cidade). Apresentavam-se como professores de Oratória (arte de falar bem em público, de saber convencer pela palavra) e Retórica (arte de persuadir pela fala e pela escrita). Os sofistas ensinavam técnicas de persuasão para os jovens, que aprendiam a defender a posição ou opinião A, depois a posição ou opinião contrária, não-A, de modo que, numa assembléia, soubessem ter fortes argumentos a favor ou contra uma opinião e ganhassem a discussão.
Platão escreveu uma obra intitulada Sofista, onde ele elenca uma série de elementos identificadores dos sofistas:
Para Platão o nome sofista deriva de sophós que quer dizer sábio e nesta concepção, para o discípulo Platão, apenas seu mestre Sócrates seria o único e verdadeiro sofista. Há nesta obra um elenco de aspectos atribuídos por Platão aos sofistas: são educadores ambulantes; cobram para ensinar; são mercadores porque transmitem um saber pronto, sem crítica; a retórica sofista não transmite conhecimento algum, uma vez que é uma enxurrada de palavras bem composta para persuadir os ouvintes; o sofista refuta por refutar, apenas para ganhar uma disputa verbal.

Na verdade estes sentidos pejorativos impostos por Platão aos sofistas não podem negar o fato da importância destes filósofos para a História da Filosofia. Os sofistas foram, na verdade, grandes mestres, e a eles acorriam quantidades de jovens bem-nascidos, dispostos a pagar muito dinheiro para aprender o que eles podiam ensinar. Os sofistas dominavam uma série inumerável de conhecimentos a serem ensinados. Eles trataram de uma gama enorme de temas do seu tempo e em especial, independente daquilo que ensinavam, o que os jovens buscavam era, fundamentalmente, a Areté, que era a qualidade indispensável para se tornar um cidadão bem sucedido, quer na vida privada, quer na pública.

A importância dos sofistas, guardadas as devidas ressalvas tratadas por Platão em sua crítica aos mesmos, é que eles fazem parte do florescimento da Filosofia que vai de Tales até Sócrates. Muitas questões, senão que todas, foram levantadas neste período. Descobriu-se neste período que a RAZÃO não apenas explica, mas ela também revela as dificuldades para a aquisição do conhecimento verdadeiro.

AINDA QUE PASSÍVEIS DE CRÍTICAS, ELES SÃO OS CONSTRUTORES DE UMA NOVA EDUCAÇÃO DOS JOVENS ATENIENSES MUITO DIFERENTE DAQUELA FUNDADA NO CONHECIMENTO MÍTICO REUNIDO POR HOMERO E HESÍODO EM SUAS OBRAS E NO CULTO AO CORPO FÍSICO.
Evolução e reavaliação dos sofistas e da sofística. Seguindo Platão, muitos filósofos e mesmo historiadores da filosofia julgaram os sofistas negativamente. A acepção usual de 'sofista' - o que produz argumentos aparentes (e geralmente intrincados) para defender uma proposição falsa, e também o que está disposto a defender qualquer proposição, seja verdadeira ou falsa - testemunha a vasta influência platônica. Juizos menos pejorativos dos sofistas e da sofistíca começaram a formular-se quando foram estudados historicamente e se advertiu sobre seu contexto histórico. 
Alguns historiadores da filosofia deixaram de lado o fato de que nem Sócrates e nem Platão seriam possíveis sem os sofistas, e isso não só por constituir um horizonte histórico dentro do qual se desenvolveu seu pensamento, mas também porque usaram abundantemente de recursos sofísticos. 
Ora, é necessário compreender a Filosofia dentro daquela dinãmica de implementação da sua atividade que se dá no desenvolvimento da história humana e de forma contínua e nunca por rupturas. Assim, O Mito, os problemas cosmológicos e os sofistas, tornam-se necessários para que Sócrates pudesse construir a estrutura de seu Pensamento Filosófico.
Desde meu ponto de vista, Sócrates só pode fazer-se enquanto pensador diferente dos sofistas porque foi capaz de elaborar uma reflexão em relação às atitudes dos sofistas e aos pensamentos por eles disseminados.
Assim, a Filosofia se faz da dúvida que sempre imbricará em uma série de problemas intermináveis que sempre vão requerer novas e diferentes respostas - estas respostas constituirão as mais variadas teorias filosóficas - seja lá na Grécia Antiga, seja em nossa atualidade. É esta dinâmica que move a Filosofia e a Ciência na produção de seus conhecimentos em busca da VERDADE. É esta dinâmica que fazem da Filosofia e da Ciência serem Filosofia e Ciência e não outra coisa...
De certo modo, os sofistas sofistas são produto de seu tempo. Quanto a ser um grupo homogêneo há controvérsias:
Protágoras, Pródico, Hippias, Górgias, Trasímaco, Cálicles, Antífon, Polo, Crítias dos quais se destacam os quatro primeiros. Sem dúvida, os historiadores nem sempre colocaram os sofistas em grupo único. Scheileimacher (Geschichte der Philosophie, 1839, ed. Ritter, págs 71 e seguintes) falou de dois tipos de sofística: a heracletiana e a pitagórica. Ritter (Geschichte, Livro IV) incluiu entre os sofistas Leucipo e Demócrito; ambos - argumenta o historiador - se opuseram, como o resto dos sofistas, ao "verdadeiro espírito da filosofia". Roller apud Zeller, I, 2a ed., 799) distribuiu a sofística em três grupos: a eleática, a heraclítea e a abderita. Os historiadores do princípio do século XIX tendem, no geral, a considerar a sofística num sentido muito amplo. Esta tendência foi refutada por Zeller (loc. cit., que considerou os sofistas como formando um grupo bem determinado e diferente dos pré-socráticos. A orientação de Zeller foi continuada pela maior dos historiadores. Mas dentro desta concepção mais restrita de sofística foram propostas várias agrupações. Assim, Ueberweg fala das diferenças entre "sofistas anteriores" (Protágoras, Górgias, Hippias, Pródico e os chamados "sofistas criadores") e os "sofistas posteriores" (que compreender as figuras menores: Polo, Trasímaco, Cálicles, Antífon). Th. Gomperz (Geschichte, I, cap. IV) não estabelece propriamente uma classificação, mas trataa Protágoras e Górgias separadamente, como "figuras principais", de modo que o resto pode ser considerado como "grupo secundário".M. C. Nahm ( Selections from Early Greek Philosophy, 1950;3a ed., págs. 222 e seguintes) divide os sofistas em "sofistas da cultura" (Protágoras, Górgias) e "sofistas da erística" (Trasímaco, Cálicles, Crítias). Alguns autores distinguem entre "sofistas educadores" e "sofistas retóricos". Eugene Dupréel negou que os quatro grandes sofistas (Protágoras, Górgias, Pródico, Hippias) podem ser tratados como um grupo único: no seu entender cada autor possui uma doutrina original, irredutível a todas os outros sofistas. 
O RELATIVISMO SOFISTA FOI UMA DAS GRANDES CONTRIBUIÇÕES DEIXADAS POR ELES.
PROTÁGORAS de Abdera, dizia que o Homem é a medida de todas as coisas; das que são e das que não são.
Nascido em Abdera, Grécia, Protágoras (480-410 a.C.) é considerado o primeiro e um dos mais importantes sofistas. Ensinou por muito tempo em Atenas, tendo como princípio básico de sua doutrina a ideia de que o homem é A MEDIDA DE TUDO O QUE EXISTE.
Conforme essa concepção, todas as coisas são relativas às disposições do homem, isto é, o mundo é o que o homem constrói e destrói. Por isso não haveria verdades absolutas. Toda verdade seria relativa a um determinado homem, grupo de homens ou sociedade.
A Filosofia de Protágoras sofreu críticas em seu tempo por dar margem a um grande subjetivismo: tal coisa é verdadeira se para mim parece verdadeira. Assim, qualquer tese poderia ser encarada como falsa ou verdadeira, dependendo do ponto de vista de cada pessoa.
GORGIAS de Leontini: o bom orador é capaz de convencer qualquer pessoa sobre qualquer coisa.
Górgias (487-380) é considerado um dos maiores oradores da Antiguidade, aprofundou o SUBJETIVISMO RELATIVISTA de Protágoras a ponto de defender o CETICISMO ABSOLUTO. Afirmava que:
a. Nada existia;
b. Se existisse, não poderia ser conhecido;
c. Mesmo que fosse conhecido, não poderia ser comunicado a ninguem.
Posições Atribuíveis a Górgias:

1. Górgias define-se com orador e professor de retórica;

2.O objecto da retórica são os discursos, sobretudo os de carácter político;

3. A retórica é considerada um "bem supremo", dado que permite persuadir juízes, senadores, o povo e qualquer espécie de participantes em reuniões.

4. A retórica não se define porque aquilo que é, mas sim pelos efeitos provoca;

5. A persuasão é o objectivo e a essência da retórica;

6.O poder das palavras está na base da retórica e do discurso político.

7. A retórica permite persuadir um dado auditório sobre a verdade/justiça de uma dada posição, independentemente da mesma ser de facto verdadeira ou falsa, justa ou injusta.

8. A retórica prescinde do conhecimento. É uma arte do verosímil ou do crível não do saber que são tratados.

9. As palavras não manifestam a verdade das coisas. O seu uso na retórica não tem em vista exprimir o que as coisas são, mas sim provocar emoções e sentimentos nos ouvintes.

10. Não é possível impedir o mau uso da retórica.

11.Indiferença perante as questões ética do ensino da retórica

Em contraponto com Sócrates podemos atribuir as seguintes diferenças:

12. A retórica não pode prescindir do conhecimento.

13. Só pode falar de justiça aquele que a procura e a pratica.

14. Quem sabe o que é a justiça jamais poderá praticar a injustiça (intelectualismo moral).

Esquema de Carlos Fontes
Em nossas próximas aulas iremos contrapor (fazer analogia) entre o RELATIVISMO sofista e a perspectiva epistemológica de Platão.
PLATÃO
De clique aqui
(Platão: Biografia)

De clique aqui
(Biografia-Resumo: Sócrates)
 

ARISTÓTELES
De clique aqui
(Aristóteles: Biografia)

Fontes: Marilena Chauí. Convite à Filosofia. 6. Ed. São Paulo: Ática, 1997. Gilberto Cotrim. Fundamentos da Filosofia: Ser, saber e fazer.8 ed. São Paulo: Saraiva, 1993. J. FERRATER MORA, Sofista, Diccionario de Filosofía, Q-Z, Ariel, Barcelona, 1994.

REVISÃO AULA/FILOSOFIA
RESUMO Mês de MAIO.

MITO e FILOSOFIA
Passagem do Mito à FILOSOFIA
Noções gerais sobre: Sistemas de Conhecimentos, Módulos de Conhecimentos, Linguagens Alegórica e Abstrata, Raciocínio Sistemático, Mito e Filosofia.

O Globo está dividido em dois grandes sistemas de conhecimentos: O Ocidental e o Oriental, ambos em constante interação.

Para esclarecer melhor essa interação, vamos ver como foi que os gregos reelaboraram o conhecimento acumulado pelos Orientais quanto ao domínio de TÉCNICAS, que possibilitaram aquele conhecimento que hoje entendemos por Científico.

→ Aquilo que era concebido para facilitar a vida em seu cotidiano, os gregos transformaram em ciência (ou seja, em um conhecimento racional sistematizado – sempre abstrato e universal). Assim, não é errôneo afirmar que, a Matemática tem sua fonte no Egito Antigo. Os egípcios já praticavam a agrimensura para medir, contar e calcular; os Caldeus e Babilônios praticavam a astrologia como forma de prever o futuro através da adivinhação a partir da observação dos astros celestiais; logo, a astrologia os gregos transformaram em astronomia; as práticas de grupos religiosos secretos que buscavam a cura misteriosa para doenças, os gregos transformaram em medicina.

→ Outro fator que potencializou em grande medida o poder de abstração, do homem grego, foi transcrever a palavra e o pensamento com símbolos: eis o alfabeto. Criado pelos Fenícios, o alfabeto foi melhorado pelos gregos que acrescentaram, por exemplo, as vogais. O alfabeto possibilita ao homem uma maior capacidade de abstração e generalização. Diferente dos hieróglifos dos egípcios ou os ideogramas dos chineses, a escrita alfabética supõe que não se represente uma imagem da coisa que está sendo dita, mas a idéia dela, o que dela se pensa ou se transcreve. A escrita permite o pensamento mais aguçado sobre algo quando ficamos lendo e analisando alguma coisa, como, por exemplo, uma lei. Ao ser fixada, a lei fica exposta como um bem comum de toda a cidade, um saber que não é secreto como um saber vinculado ao exercício de um sacerdote, mas propriamente público, além de estabelecer uma nova noção na atividade jurídica, a saber, uma verdade objetiva. Da linguagem alegórica para a abstrata irrompeu-se uma grande tensão provocada pela dessacralização do Mito. A Escrita era tida pelos defensores das verdades mitológica como atividade profana. Não é difícil imaginar o que significava este conflito. A Escrita tirava o poder sobrenatural dos detentores do saber.

→ Portanto, nas explicitações textuais acima, eu tive a preocupação apenas de delinear alguns exemplos para reforçar a idéia de interação entre Ocidente e Oriente, no que tange ao problema do conhecimento. Em outras palavras, a cultura grega sofre de uma influência Oriental – ela é resultado direto de contatos profundos com as culturas mais avançadas do Oriente. Porém, também é verdade, que os gregos imprimiram mudanças de qualidades tão profundas no que receberam do Oriente e de outras culturas do Ocidente, que até parecia terem criado sua própria cultura a partir de si mesmos.

 

ESTA IDEIA DE INTERAÇÃO CULTURAL é fundamental para compreendermos que o Homem é realmente um SER social e político, como retratado pelo Filósofo Aristóteles em sua obra “A Política”. O Homem é um ser Dependente Coletivo. Não pode viver de forma isolada como se fosse uma ilha. E, sua participação no coletivo pode fazer toda a diferença.

∆ Para uma compreensão mais profunda deste processo de construção do Conhecimento desde a dinâmica evolutiva dos hominídeos até o evento histórico de nascimento da Filosofia, é essencial atermos para estas duas características incontestáveis do Homem: Razão e Dependência Coletiva.


→ Ele é o único ser no Globo Terrestre, pelo menos do que temos conhecimento, que possui a Faculdade Anímica da Razão. Isto é dizer, é o único SER que faz PERGUNTAS, que PENSA e que busca RESPOSTAS para as perguntas por ele elaboradas.

A dinâmica seria mais ou menos essa:
O Homem inserido no contexto do Senso Comum (interior da Caverna Platônica) faz PERGUNTAS, PENSA pouco e sempre se apossa de RESPOSTAS alheias já prontas e tidas como definitivas.

O Homem inserido no contexto do Senso Crítico (exterior da Caverna Platônica) faz PERGUNTAS, PENSA muito – de forma autônoma e sempre elabora RESPOSTAS com a exigência de que sejam verdadeiras de forma lógica, ou seja, fruto de um raciocínio sistematizado. AS RESPOSTAS NUNCA SÃO DEFINITIVAS.

→ Quanto à dependência coletiva eis alguns exemplos ilustrativos abstratos:

Ex. 1 =

Pergunto a um Sujeito: _ Você é brasileiro?

_ Sim, sou brasileiro – responde ele.

_ Então você é um cidadão brasileiro?

_ Sim, sou. Ontem mesmo exerci minha cidadania ao cumprir meu dever de eleitor e escolhi deputados e senadores que me representarão nos próximos quatro anos lá em Brasília nas casas das Leis.

_ Muito bem... Você poderia me dizer quais são os nomes destes deputados e senadores e a quais partidos eles pertencem?

_ Rapaz, sabe que já não me lembro bem...

Este exemplo parece algo inocente, mas ao contrário de sê-lo, revela algo nefasto para a vida em seu âmbito Coletivo e de quebra, também para o âmbito da vida privada. É comum nosso povo passar quatro anos de uma legislatura dizendo que nossos políticos não prestam, são corruptos, são ladrões... Na verdade não estão errados os eleitores que possuem este ponto de vista, pois a maioria se comporta exatamente assim. Porém, em uma reflexão lógica a pergunta deveria ser: Quem realmente não presta: Os políticos ou os eleitores que colocam os políticos em seus cargos respectivos? É óbvio que quem não presta são os eleitores. Por que passam quatro anos afirmando que os políticos não prestam e sempre em uma nova eleição acabam por colocarem sempre os mesmos lá de novo. É certo ainda que, há forças alienantes com o objetivo de manterem esta situação, porém, o Homem pode superá-las desde que esteja disposto a deixar o interior da CAVERNA. 

Do senso comum ao senso crítico
“Os políticos não prestam”, continue a pensar assim e você estará pensando do jeitinho que eles, os maus políticos, querem; assim eles se manterão lá. Mas, o dia que você pensar de forma contrária e com seu voto colocar bons políticos nestes cargos, os maus serão expurgados. Votar consciente, conhecer a ideologia do Partido e de seu candidato, conhecer o histórico de lutas reais deste candidato em defesa de todo o conjunto da sociedade, fiscalizar cada voto representativo de seu político eleito... Isso sim é revelar ufanismo brasileiro comprometido com o coletivo. Votar em um empresário e/ou latifundiário, imaginando que ele vá ficar do lado dos trabalhadores na hora de elaborar leis que favoreçam estes e desfavoreçam seus grupos minoritários, detentores das riquezas concentradas de nosso país, é sonhar que papai Noel existe... O VOTO PODE MUDAR OS DESTINOS DE UM POVO QUE VIVE EM UM REGIME POLÍTICO DEMOCRÁTICO, PODE GERAR JUSTIÇA. MAS DEPENDE MUITO DO COMPROMETIMENTO REAL DE SEUS CIDADÃOS.

→ Vamos voltar ao processo de construção do conhecimento ao longo da história humana.

O Homem que faz perguntas, elaborou desde cedo QUESTÕES EXISTENCIAIS, ou seja, problemas gerados a partir de seu cotidiano, que requeriam soluções, respostas concretas.

Desde cedo, ainda no início do processo evolutivo, quando ainda nas cavernas, o Homem necessitava de prover necessidades como alimentação, proteção de seus corpos, regras mínimas de convivência.

Foram destas questões existenciais que o Homem passou a elaborar um conhecimento que formaria o Módulo de Conhecimentos ARTÍSTICOS.

Imaginemos o Homem em um tempo da história no qual ele se quer tinha a consciência de possuir a Faculdade Anímica da Razão. É certo que esta tomada de consciência não se deu da noite para o dia. Mas, foi um longo processo. 
No inicio se alimentava de pequenos animais, em relação com os grandes o Homem não era o caçador, mas sim, a caça. Até que um dia este ser pensante inventou um objeto perfurador e passou a abater grandes animais e deles a se alimentar. Este conhecimento ele podia deixar registrado nas paredes da Caverna para que outros humanos que por ali passassem pudessem dele fazer uso. Uma coisa é pensar, criar. Por exemplo, uma coisa seria você ter que pensar e inventar o aparelho de telefone celular; outra coisa é você manusear um aparelho já criado por alguém.

Porém, o módulo ARTÍSTICO não dava conta de responder a questões existenciais que eram da dimensão do SOBRENATURAL: Quem fez todas as coisas que existem? Para onde vamos depois desta vida biológica? Por que uns nascem com deficiências físicas e outros não? O módulo religioso centrado na autoridade da crença veio para dar conta destas questões.


Ora, as populações hominídeas deixaram aos pouco de ser nômades para se constituírem como sociedades sedentárias. Maior número populacional, maiores também se tornam os problemas de convivência coletiva. Aos poucos estes povos primitivos foram construindo um novo módulo de conhecimento para dar conta de questões existenciais inseridas em um contexto cada vez mais complexo. Surge o MITO. Módulo de conhecimento estruturado basicamente na Linguagem Alegórica sob a autoridade do sobrenatural (dependente da CRENÇA).

SURGE A FILOSOFIA

Atenção, a Filosofia não é um Módulo de conhecimento – como o é o Artístico, o Religioso e o Mito. A FILOSOFIA é uma atividade, um exercício de reflexão racional sistematizada. Não CONFUNDA Filosofia com CIÊNCIA, ciência é um módulo originário da Filosofia e por isso mesmo, ela, a FILOSOFIA é considerada mãe de todas as ciência. Depois do século XV - a 500 anos atrás - a Ciência tornou-se autônoma e os ramos da Filosofia foram reduzidos a poucas áreas: Epistemologia, Ética, Estética, Axiologia, Ontologia, Metafísica, e outras.

O QUE QUEREMOS DIZER COM REFLEXÃO RACIONAL SISTEMATIZADA?

REFLEXÃO seria o pensamento pensando ele mesmo. Significa em Filosofia o movimento de volta sobre si mesmo ou movimento de retorno a si mesmo. Seria o movimento pelo qual o pensamento, examinando o que é pensado por ele, volta-se para si mesmo como fonte desse pensado. É o pensamento interrogando-se a si mesmo ou pensando-se a si mesmo. É a concentração mental em que o pensamento volta-se para si próprio para examinar, compreender e avaliar suas idéias, suas vontades, desejos e sentimentos.


A REFLEXÃO FILOSÓFICA É RADICAL, pois vai à raiz do pensamento.

Não somos apenas seres pensantes, somos também seres que se relacionam com outros seres: por meio de linguagem e dos gestos, por meio de ações, comportamentos e condutas. Portanto, a reflexão busca compreender a realidade que nos circunda.

O que é pensar? O que é falar? O que é agir?

O que pensamos, dizemos e fazemos em nossas crenças cotidianas constitui ou não um pensamento verdadeiro, uma linguagem coerente e uma ação dotada de sentido?

ATITUDE FILOSÓFICA: dirige-se ao mundo que nos rodeia e aos seres humanos que nele vivem e com ele se relacionam. É um saber sobre a realidade exterior ao pensamento. Já a REFLEXÃO FILOSÓFICA se dirige ao pensamento, à linguagem e à ação. São perguntas sobre a capacidade e a finalidade de conhecer, falar e agir e que são próprias dos seres humanos.
É um saber sobre o homem como ser pensante, falante e agente, ou seja, sobre a realidade interior aos seres humanos.
 
POR ISSO MESMO, RACIONAL SISTEMATIZADA → As indagações fundamentais da atitude filosófica e da reflexão filosófica não se realizam ao acaso, segundo as preferências e opiniões de cada um de nós. A filosofia não é feita de “achismos” nem é pesquisa de opinião à maneira dos meios de comunicação de massa. As indagações filosóficas se realizam de modo sistemático.

A PALAVRA SISTEMA vem do grego e significa “um todo cujas partes estão ligadas por relações de concordância interna”. No caso do pensamento, significa um conjunto de idéias internamente articuladas e relacionadas, graças a princípios comuns ou a certas regras e normas de argumentação e demonstração que as ordenam e as relacionam num todo coerente.

A FILOSOFIA trabalha com enunciados precisos e rigorosos, busca encadeamentos lógicos entre os enunciados, opera com conceitos ou idéias obtidos por procedimentos de demonstração e prova, exige a fundamentação racional do que é enunciado e pensado. SOMENTE ASSIM A REFLEXÃO FILOSOFICA PODE FAZER COM QUE NOSSAS CRENÇAS E OPINIÕES ALCANCEM UMA VISÃO CRÍTICA DE SI MESMAS. Não se trata de dizer “eu acho que”, mas de poder afirmar EU PENSO QUE”.

O CONHECIMENTO FILOSOFICO É UM TRABALHO INTELECTUAL 
É sistemático porque não se contenta em obter respostas para as questões existenciais que se apresentam, mas exige que as próprias questões sejam válidas e que as respostas sejam verdadeiras, estejam relacionadas entre si, esclareçam umas às outras, formem conjuntos coerentes de idéias e significações, sejam provadas e demonstradas racionalmente.

O PRIMEIRO PROBLEMA FILOSÓFICO: A COSMOLOGIA
O nascimento da Filosofia
Linguagem ABSTRATA

TALES DE MILETO (cerca de 625/4-558/6 a.C.) é considerado o primeiro Filósofo e fundador da Filosofia que surgiu em fins do século VII a.C. e início do VI a.C.

O PROBLEMA FILOSÓFICO: A palavra cosmologia deriva de duas outras: COSMO poderia ser traduzida, de forma sofrível, para o português como UNIVERSO e/ou Planeta, Globo, Natureza (seria mais próximo mesmo de “a ordem, a organização do mundo”; LOGIA vem de LÓGOS que significa Razão – “pensamento racional, discurso racional, conhecimento”.

ASSIM A FILOSOFIA NASCE COMO CONHECIMENTO RACIONAL DA ORDEM DO MUNDO OU DA NATUREZA, DONDE COSMOLOGIA.

Na base do problema cosmológico está a questão existencial:
QUAL É A ORIGEM DE TODAS AS COISAS?

Ora, qual é o problema mítico grego que tem em sua base, também, esta mesma questão existencial?


COSMOGONIA (Linguagem Alegórica): a palavra gonia significa nascimento, gerar, fazer nascer e crescer, gênese. Em outras palavras, significa nascimento a partir da concepção sexual e do parto. Está relacionada à TEOGONIA que significa a narrativa da origem dos deuses a partir de seus pais e antepassados.

“No início era o CAOS. Foram gerados os deuses primordiais, dentre os quais Gaia a deusa terra... E tudo foi criado. Céus e mares; Terra – rios, lagos e montanhas, vegetação e animais... O semideus Prometeu tomou um pouco de terra e, misturando-a com água, fez o Homem à semelhança dos deuses... O irmão de Prometeu, Epitemeu se encarregou de dar a cada animal um dom variado: força, sagacidade, rapidez... Quando chegou ao Homem já não tinha mais dons para doar e recorreu a Prometeu. Do Palácio de Zeus roubou o FOGO (símbolo da Razão) e o deu ao Homem – assegurando-lhe superioridade em relação aos demais seres. A Mulher foi criada em seguida como castigo ao Homem pelo presente recebido de Prometeu: a mulher é responsável por liberar e fazer a humanidade conhecer todos os tipos de males... Prometeu transformado em imortal foi condenado a ser devorado eternamente por uma águia...” Esta é apenas umas das muitas versões.

Portanto, o problema é o mesmo. Mas, a diferença reside no fato de que a Filosofia ao retomá-lo do Mito reformulou-o, racionalizando-o, transformando-o numa explicação inteiramente nova e diferente...

TALES DE MILETO já não se contentava mais com as respostas prontas e definitivas do mito e propaladas pela tradição oral. Ele queria uma nova RESPOSTA. Para seu problema COSMOLÓGICO construiu a seguinte resposta –
A ÁGUA É O PRINCÍPIO DE TODAS AS COISAS:
“A maior parte dos primeiros filósofos considerava como os únicos princípios de todas as coisas os que são de natureza da matéria. Aquilo de que todos os seres são constituídos, e de que primeiro são gerados e em que por fim se dissolvem, enquanto a substância subsiste mudando-se apenas as afecções, tal é, para eles, o elemento, tal é o princípio dos seres; e por isso julgam que nada se gera nem se destrói, como se tal natureza subsistisse sempre… Pois deve haver uma natureza qualquer, ou mais do que uma, donde as outras coisas se engendram, mas continuando ela mesma. Quanto ao número e à natureza destes princípios, nem todos dizem o mesmo. Tales, o fundador da filosofia, diz ser água [o princípio] (é por este motivo também que ele declarou que a terra está sobre água), levando sem dúvida a esta concepção por ver que o alimento de todas as coisas é o úmido, e que o próprio quente dele procede e dele vive (ora aquilo de que as coisas vem e, para todos, o seu princípio. Por tal observar adotou esta concepção, e pelo fato de as sementes de todas as coisas terem a natureza úmida; e a água é o princípio da natureza para as coisas úmidas (…).” (ARISTÓTELES. Metafísica, I, 3.983 b6 .)

OUTROS FILÓSOFOS COSMÓLOGOS:

Anaximandro → Afirmou que o princípio é o infinito. O princípio é o fundamento da geração de todas as coisas, a ordem do mundo evoluiu do caos em virtude deste princípio.

Anaxímenes → Refutando a teoria da água de Tales, e do ápeiron de Anaximandro, Anaxímenes ensinava que essa substância era o ar infinito, pneuma ápeiron. O universo resultaria das transformações do ar, da sua rarefação, o fogo, ou condensação, o vento, a nuvem, a água e a terra e por último pedra. Esse era o processo por qual passava uma substância primordial, e resultava na multiplicidade, os quatro elementos. O ar tinha o eterno elemento.

Pitágoras → Os números constituem a essência de todas as coisas segundo sua doutrina, e são a verdade eterna.
MUITO IMPORTANTE, ANOTE
O mais importante em Tales de Mileto não foi a resposta dada ao seu problema cosmológico, mas sim a forma pela qual ele chegou a esta resposta. As diferentes respostas dos filósofos cosmólogos e/ou físicos revelam uma característica essencial que faz a Filosofia SER Filosofia e não outra coisa... O fato da Filosofia não ter respostas prontas e muito menos definitivas. A Filosofia lança-se em busca da VERDADE e não se contenta com simples respostas. A DÚVIDA é o elemento deflagrador da atividade filosófica e é ela, a DÚVIDA, que faz da Filosofia uma incessante e eterna atividade reflexiva racional sistematizada a fim de manter o Homem sempre na possibilidade de conquistar o exterior da Caverna platônica e vivenciar a autonomia de uma pensamento que possa, de fato, lançá-lo à FELICIDADE colocá-lo próximo da VERDADE.
 
Nas próximas aulas VEREMOS:As áreas e/ou ramos da Filosofia
Os primeiros problemas filosóficos centrados na Cosmologia, Arte Política e Antropologia.
Os pré-socráticos, os SOFISTAS, Sócrates, Platão e Aristóteles.
Fontes consultadas:ALVES, Fátima e outros. A chave do agir: Introdução à Filosofia. Lisboa: Texto Editora Ltda, 1998.

ARANHA Maria Lúcia de Arruda, MARTINS, Maria Helena Pires. Temas de Filosofia. 2.ed. São Paulo: Moderna, s.d.

CARDOSO, Osvaldo e outros. Filosofia: Ensino Médio (Livro Didático da S.E.ED./PR). 2. ed.Curitiba: SEED/PR, 2008.

CHAUI, Marilena. Convite à Filosofia. 6.ed. São Paulo, Ática,1997.

CHAUI, Marilena, OLIVEIRA, Pérsio S. Filosofia e Sociologia. São Paulo: Ática, 2007.

COTRIM, Gilberto. Fundamentos da Filosofia: ser, saber e fazer. 8 ed. São Paulo, 1993.

DELEUZE, Gille, GUATARI, Felix. O que é a Filosofia? Rio de Janeiro: Ed. 34, 1992.

DURANT, Will. A história da Filosofia. 3. ed. Rio de Janeiro: Record, 2000.

REZENDE, Antonio e outros. Curso de Filosofia. 13. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2005.

Acesse Resumo Mito e Filosofia - Noções Gerais
Dê um clique aqui
(Resumo/Aulas maio 2010)
Acesse aqui Resumos de outras semanas
(Filosofia/Aulas/Resumos/Mês ABRIL)
Acesse aqui Resumos de outras semanas
(Filosofia/Aulas/Resumos/Semana 29/03-01.04)
Acesse aqui Resumos de outras semanas
(Filosofia/Aulas/Resumos/Semana 01-05/03/10)
Acesse aqui Resumos de outras semanas
(Filosofia/Aulas/Resumos/SEMANA 08-12.03.2010)




filoparanavai 2011

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...