http://filoparanavai.blogspot.com.br/

sexta-feira, 1 de janeiro de 2010

Ensaio: MiTO e FiloSofia...

Counter


Vamos falar de Filosofia?

Por Lucio_2010

O conhecimento Ocidental basicamente orientado pelos
grandes sistemas filosóficos
desde Tales de mileto, é jovem se comparado à idade hominídea
e este disparate em anos existenciais, torna-se extremamente
largo se comparado à idade do Universo... Como Filósofo docente
tenho a missão de trabalhar a filosofia com educandos do ensino
médio. Ora, mas filosofia não se ensina. GRAMSCI foi muito
feliz ao dizer que de alguma forma todos nós Ocidentais
somos filósofos, uma vez que herdamos o conhecimento forjado
pelo pensamento filosófico grego. Urge dizer então que na
verdade filosofia não se ensina e ponto final. Resolvida esta
questão, que não é exclusivamente minha e muito menos
nossa - mas que também foi uma questão Kantiana;
fica a pergunta: qual é então o papel do docente de
filosofia junto aos educandos? Kant tinha uma máxima como
resposta - "não se pode ensinar filosofia e sim aprender a filosofar".
A resposta então é tão direta quanto
a primeira: o docente de filosofia tem a missão de ajudar
seus educandos a filosofarem e ponto final.
Resta então outra divagação, a de como?Ao longo da história,
desde Tales de Mileto, a filosofia foi sendo constituída de
grandes sistemas filosóficos. Estes mesmos sistemas filosóficos
nos impedem de formularmos um conceito universal e verdadeiro
acerca daquilo que é a filosofia enquanto definição homogênea.
Em nossa contemporâneidade sou adepto de um dos filósofos mais
extraordinários que a França já ofereceu ao mundo,



estou falando de Gilles Deleuze (1925-1995),
que trabalhava com o conceito muito cristalinizado de filosofia
como uma fabrica de produzir conceitos. Em sua obra
" O que é a Filosofia?" escrita em parceria com o psicólogo
e ativista social Félix Guattari (1930-1993) ele diz:

"A filosofia é a arte de formar, de inventar, de fabricar conceitos /.../
O filósofo é o amigo do conceito, ele é conceito em potência.
Quer dizer que a filosofia não é uma simples arte de formar,
de inventar ou de fabricar conceitos, pois os conceitos
não são necessariamente formas,
achados ou produtos. A filosofia,
mais rigorosamente, é a disciplina que consiste em criar conceitos."


Assim, sendo... ensinar filosofar é ensinar a arte de criar conceitos!


Mas como falar de Filosofia sem falar em Mito???
Impossível...

Descendo às origens da filosofia genuinamente grega...


Mas como entrar na problematização existencial da filosofia sem revisitarmos o Mito Grego com todo seu capital simbólico como conhecimento
que antecede ao filosófico, constituindo-se em respostas concretas às
indagações do homem pré-filosófico? O Mito enquanto conhecimento
ilógico, simbólico, poético, fantasioso, irreal, assistemático e por
tudo isto não necessitando de provas implicando no imperativo
"sine qua non" de que é sempre verdadeiro e irrefutável; é portanto
um conhecimento que satisfaz o homem em suas indagações frente
aos "mistérios" naturais do Cosmo e de seu próprio mundo interior.
O Mito para o grego antigo é praticamente o único conjunto de
conhecimentos que lhe oferece respostas àquelas velhas e tão
sempre contemporâneas nossas: as questões existenciais...
Na Grécia o Mito é identificado religiosamente e é colocado
em prática através de ritos. Digamos que sua
principal característica é a de ser
politeísta-panteísta. Vejamos,
hoje a teconologia científica nos permite um "alerta" de qualquer
que seja o fenômeno da natureza - como por exemplo tempestades,
terremotos, furacões... Tendo este conhecimento antecipado
pode-se salvar vidas através de medidas rápidas de auto-defesa...
No tempo em que o Mito imperava na Grécia o máximo que se podia fazer
era dar uma explicação tal como os deuses estão brigando, ou
enfurecidos e coisas do gênero... O Mito não é exclusivamente grego,
todos os povos primitivos possuiam os seus. A mitologia grega é bela e seu destaque se deve ao conhecimento filosófico gestado a partir dela. Ainda hoje Mito e Filosofia caminham lado a lado. Temos os Mitos ameríndios,
Mitos africanos são muito latentes ainda hoje,
sem falar dos Mitos que a mídia impõem
aos nossos jovens especialmente.. Obviamente
hoje o Mito em nossa sociedade brasileira
tem outras funções e enquanto conhecimento é apresentado
de forma fragmentária
(mito do futebol p.ex. Kaká; do sexo p.ex. Madona; da política p.ex. Fidel...) o que é, o oposto da Mitologia grega e dos povos primitivos, que era
um conhecimento homogêneo. O verbete MITO hoje é empregado para
dizer a "verdade" de uma mentira.A Mitologia Grega se estrutura no culto
politeísta-panteísta. Na Grécia Antiga, as várias cidades-estados
eram parte de uma mesma comunidade religiosa: tinham
as mesmas crenças e rituais, tanto que se faziam
representar num santuário comum, Delfos. Por ex. no
Velho Testamento os Judeus nos primeiros capítulos
do Livro de Gênesis bebem da mitologia babilônica
adaptando sua mitologia ao Deus monoteísta para explicarem as
origens do Universo e tudo o que nele há. De comum com os gregos há
a tradição oral pela qual se passa de geração à geração estes
conhecimentos e os cultos pelos quais os fortalecem em sua relação
com o sobrenatural em nossa existência passageira.
Também a forma do anúncio: sempre por uma pessoa
e em público. No judaismo os profetas desempenham
esse papel no Mito Grego o poeta. Na verdade, todos os povos
possuem sua explicação acerca destas questões... O conhecimento
científico fala do "big bang" e da evolução dos hominídeos a partir
dos primatas / TRATAREMOS DO CONHECIMENTO CIENTÍFICO
FUTURAMENTE e de como até mesmo este conhecimento corre o
perigo de se transformar em mito quando quer ficar indiferente a
sua mãe a Filosofia...


O CAOS para os gregos é
o princípio existencial vital não só do
Cosmo-Universo; mas de tudo que nele há...

Estrutura do MITO grego


O CAOS gerou após o Cosmo
os seres primordiais: deuses imortais tais como, por exemplo,


GAIA a Terra

ela vem depois do CAOS e tem uma potencialidade geradora
tão absurda que consegue gerar outros seres sozinha e
Tártaro o Inferno; Eros o organizador do Cosmo, Erebus...
Das relações sexuais destes seres primordiais e depois
destes com os gerados por eles e destes todos com os outros seres...
fazem surgir os seres constitutivos da gênese do Cosmo: os deuses
imortais / titãs , heróis, nifas...; os intermediários entre deuses
e homens - os daímones; os semideuses, filhos de um deus e um
mortal - os Heróis; e os homens... Uma vez constituída a gênese
dos seres no Cosmo, de suas relações se originarão as respostas
para todas as indagações humanas frente ao real do Cosmo. Os gregos
encontrarão respostas não só para as questões existenciais envoltas
em mistérios como donde saimos, que fazemos aqui e para onde vamos...
bem como também, para questões relacionadas ao interior humano em
seu mundo dos sentimentos: amor, paixão, ódio... e exclusivamente
para os problemas cotidianos. O Mito é vivenciado através da narrativa
pelo poeta-rapsodo que testemunhou os fatos ou foi encarregado por
um deus para anunciar um dada verdade... A vivência do Mito se
realiza através do culto às divindades. Ainda que o mesmo deus
seja cultuado por todos os gregos, em cada pólis ele recebe
características próprias - por isso as narrativas mitológicas
podem possuir várias versões;
sendo assim nem sempre existe uma coerência homogênea.
Os cultos acontecem em templos,
jogos ou lugares sagrados como o Monte Olímpo por exemplo,
casa dos 12 deuses liderados pelo deus dos deuses Zeus,




filho de Crono e Réia e neto de Gaia e Urano. Os jogos olímpicos por exemplo eram uma forma de culto. Em suas origens, era um culto aos deuses intercedendopelos mortos de um período de 4 anos para que ao final de seu tempode 1000 anos no Hades pudessem ter um final feliz ganhando
o direito de se tornarem divindades e evitando o Tártaro. Os falecidos
neste período eram reverenciados tendo sua vestes e pertences
depositados em um grande campo e ocorriam então longas procissões. Estes
cultos ocorriam sempre na primeira lua cheia do verão do
hemisfério norte. Após as sacerdotisas acenderem chamas que
os jovens levavam até o templo do deus patrono da pólis, a população
abandonava a cidade para os mortos passearem por
suas ruas para lebrarem de suas vidas passadas. Porém,
as procissões sempre acabavam em violência porque muitos gregos
buscavam resolver problemas pessoais e acabavam brigando...
O tumulto era generalizado. Para instaurar a paz,
paralelamente foram criados
os jogos: Em Corinto, um dos principais portos gregos, situado no
istmo que liga a península do Peloponeso ao continente, esses jogos
eram chamados de Jogos Ístmicos. Em Delfos, onde havia o famoso
Oráculo de Apolo, eram Jogos Píticos. Em Argos eram Jogos Nemeus.
Este conjunto de jogos, juntamente com os Jogos Olímpicos que se
realizavam em Olímpia, perto de Elis, ficaram conhecidos como
jogos pan-helénicos. Ora, os Olímpicos de olímpia não demoraram
a ganhar notoriedade e do século VIII a.C. até o V d.C. ocorreram
de forma ininterrupta. Não demorou muito para que os gregos buscassem
neles para além da reverência aos seus mortos e aos esportes,
também o culto à beleza... Constituiam-se em jogos da Paz.
Asssim é o Mito Grego em linhas gerais... voltarei a retomar
este tema em meu próximo ensaio... e não se esqueça... nós nunca
devemos ceder à ignorância o nosso direito de filosofarmos e
de realizarmos o nosso encontro com a verdade. Um abraço....

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...